A franquia De Pernas Pro Ar demorou uns bons anos para lançar seu terceiro filme, mas a espera valeu a pena. Comprovadamente uma das comédias brasileiras mais bem sucedidas, o filme trouxe um amadurecimento maior aos nossos já conhecidos personagens.

Todas as piadas usadas tiveram seu contexto acertado, mas apesar disso, achei que daria mais risadas do que dei. Não que o filme não seja engraçado, mas o escrachado que a gente já assistia antes da continuação não estava ali. Alice (Ingrid Guimarães) tem uma filha pequena agora, é mãe de família e o linguajar dos brinquedos sexuais não estão tão em alta como antes.

E isso para mim não chega a ser um defeito, já que muito mais que nos fazer rir o filme tem um propósito de discutir assuntos mais amplos, como o fato dela passar mais tempo viajando a trabalho do que cuidando da própria família.

Como foi importante para ela cair em si quando sua filha chama Rosa (Cristina Pereira), a babá, de mãe. Era Rosa quem estava com ela em todos os momentos bons e nos apertos, como nesse momento em que ela estava doente. E apesar de todo mundo dar o maior apoio à Alice, eles precisam da presença dela dentro de casa.

Ao retornar ela já começa a lidar com novos problemas: a casa que não parece mais ser sua, o tédio por não ter o que fazer, o filho que cresceu e já é praticamente um adulto. Como deve ser difícil pra uma mãe ver aquele que um dia cabia em seus braços toda noite com uma menina diferente na sua casa.

E tudo isso rendeu para a protagonista grandes momentos de descoberta e desconstrução. Seja com Paulinho (Eduardo Melo), seja com Leona (Samya Pascotto), a mulher jovem que aparece pra dominar o mercado sexual.

Nesse plot o filme ainda consegue trazer aspectos feministas de libertação da mulher, a descoberta da sexualidade e principalmente a competição entre o gênero. Alice a todo momento se sentia ameaçada pela presença de uma garota bem mais jovem roubando todo seu holofote e sucesso.

A mensagem de união feminina no final não ficou forçada e militante, mas sim simples e singela para que a simples dona de casa entenda que esse tipo de comportamento não é necessário.

Como de praxe, Alice ainda passa por sérias crises no casamento e falta com atenção à João (Bruno Garcia), o que para o público de mulheres quarentonas do filme é bem avaliado e necessário. Afinal quantas não passam pelo mesmo problema?

Assim, De Pernas Pro Ar 3 cumpre bem seu propósito e ainda deixa brechas para um quarto filme com ainda mais trapalhadas de Alice. Vamos só ver quanto tempo mais ela vai aguentar.