play_arrow
Assista ao trailer: o plano imperfeito | Trailer Oficial [HD]
videocam

Plano Imperfeito é aquela típica comédia romântica de sessão da tarde com uma premissa chula e clichê que tem uma legião de fãs porque só servem para passar o tempo. E se você está entediado e quer algo bem leve de se assistir por 01h40min, esse é o filme para você.

Ok, a Netflix vem acertando em alguns filmes e depois do grande sucesso de A Barraca do Beijo, muitos esperavam que ela repetisse o feito. Mas não foi bem assim. Enquanto a comédia adolescente é bem sustentada no roteiro ao qual ele propôs, Plano Imperfeito é um monte de coisas que a gente já viu em várias produções do gênero sem muita criatividade e originalidade.

A trama traz os dois personagens principais Harper (Zoey Deutch) e Charles (Glen Powell), dois assistentes que se matam de trabalhar para seus chefes abusivos e babacas que os impedem de viver socialmente com o mundo que os cerca passando horas e madrugadas dentro dos escritórios, porque você pode não ter uma vida, mas vai arrastar quem puder junto.  Assim, eles planejam juntar os dois, pois, se eles estão ocupados um com o outro, deixarão os pobres assistentes serem livres e usarem seu tempo como bem entender. Oi Quero Matar Meu Chefe, tutu pom?

E se referências a outras produções não faltam, incluindo uma tentativa da premissa de Operação Cupido versão assistentes, a originalidade passa longe. Simplesmente porque o filme nos entrega tudo muito na cara e a gente já sabe exatamente o que vem a seguir. Todas as artimanhas para juntar os dois são batidas: desde prender no elevador, passando pela câmera do beijo e os forçados combo de buquê+bilhete romântico. E nunca vemos os chefinhos dando nem um beijinho descente (nem pra shippar servem).

Todo o desenvolvimento é somente nas tentativas de juntar os dois, apesar de bem divido entre apresentar os personagens e suas rotinas; o desenvolvimento de toda a tramoia de Harper e Charles; e o desfecho final com os chefes descobrindo tudo e os assistentes ficando juntos no final, ainda assim fica a sessão de que está faltando ou poderia ser melhor. A única coisa diferentezinha (ou não) é que eles só deixaram para forçar o casal do meio pro final. E forçados em minha opinião, porque achei que eles funcionavam muito melhor como amigos e seria um final bem mais interessante.

A compaixão pelos os chefes vence no final com a bruxa má e o milionário sem noção revendo seus conceitos de vida e se arrependendo pelos erros cometidos. Clássico. E antes que digam que soltei spoiler, isso fica bem claro durante o filme, só não vê quem não quer.

O que salva todo esse rolê é sem dúvida as atuações. Zoey Deutch e Glen Powell estão ótimos em seus papéis e conseguem uma sintonia bem interessante. E eles se esforçam na comédia, vai, pena que nem todos os diálogos capturam alguma sacada boa. A trilha sonora poderia ser melhor, já que são marcos de comédias românticas e a fotografia é ok, visto que só me chamou atenção nas cenas das festas nas coberturas de prédios altos.

E com isso a gente conclui que Plano Imperfeito não consegue a perfeição para sua premissa e que poderia ter uma boa narrativa, mas se perde tentando copiar uma fórmula batida demais para se destacar. Serve para assistir quando está no tédio, ou acompanhada de alguém, porque aí, bom, você pode nem prestar atenção nas fraquezas do filme