play_arrow
Assista ao trailer: Cargo | Trailer oficial [HD] | Netflix
videocam

A nova aposta da Netflix se baseia em mortos-vivos em meio a um cenário apocalíptico. O filme é baseado em um curta do mesmo nome que fora comandado pelos mesmos diretores em questão, Ben Howling e Yolanda Ramke, estrelado pelo ator britânico Martin Freeman que chegou a ser coadjuvante em produções como Simplesmente Amor (2003) e Todo Mundo Quase Morto (2004) e sendo destaque na grandiosa trilogia O Hobbit, no papel de Bilbo Baggins.

Novamente protagonista, Freeman está em Cargo (Austrália, 2018) que acompanha um pai, Andy, que após a esposa ter sido contaminada por um vírus que dizimou quase toda a população da terra, atravessa as áreas mais selvagens da Austrália e faz todo o possível para sobreviver até encontrar alguém que cuide de seu bebê.

A fotografia é exuberante e se aproveita bem das luzes do sol em meio ambiente árido, e com pouca trilha sonora, com muita aposta nos sons ambientes. O longa não chega a ser tão desesperador para o protagonista, longe do que estamos acostumados em filmes de zumbis, com muito sangue e desespero dos personagens para salvar sua vida. Cargo traz um filme de zumbi onde parte da trama não aparecem.

O roteiro de Yolanda Ramke não trouxe a explicação sobre a origem do vírus, e aproveitou o tempo apresentando novos personagens, a interessante jovem indígena Thoomi com a estreante Simone Landers, que tenta salvar sozinha seu próprio pai, que já é um zumbi. O restante da comunidade de Thoomi é guiado por seu líder espiritual (David Gulpilil, da série "The Leftovers").

O curta não chegou com grandes pretensões, e apesar disso, cumpre sem problemas. A história não é frenética, nem transborda ação em todos os quatro lados. Na verdade, é bastante lento, mas sem se tornar entediante.

Cargo é um longa-metragem que dá para assistir em família, ele aborda muito sobre o amor familiar e resistência pela vida do próximo. Lembrando que o longa tem censura 16 anos, mas as cenas não são carregadas de violência.