play_arrow
Assista ao trailer: A Maldição da Casa Winchester (2018) - Trailer Legendado
videocam

2018 certamente é o ano dos fãs de filmes de terror. Vários longas, dos diretores mais "badalados" do momento, serão lançados esse ano. Para abrir a temporada estreou Winchester (no original), que tem sua trama baseada em fatos reais abordando os mistérios da mansão mais mal assombrada do mundo.

Sarah Winchester (Hellen Mirren) é viúva e herdeira de um magnata da indústria armamentista. E é constantemente atormentada pelos espíritos das pessoas que foram mortas pelos rifles de sua família. A diretoria da empresa Winchester acredita que a milionária está em choque devido a morte prematura de sua única filha e também falecimento recente de seu marido; então eles subornam o Dr. Eric Price (Jason Clarke) para que ele dê um laudo falso alegando que ela não tem condições de dirigir sua empresa. Por isso Sarah o convida para passar uma temporada em sua casa, que está sempre em construção- 24h, 7 dias por semana, 365 dias por ano, o tempo inteiro.

O roteiro é muito simples, já que a temática do filme é descobrir os mistérios de uma velha casa mal assombrada. No entanto, é extremamente confuso, pois, tenta explorar vários caminhos narrativos e acaba por não percorrer nenhum. Se não fosse pela brilhante atuação de Hellen Mirren- que consegue traduzir com maestria toda a carga emocional e psíquica de sua personagem- eu realmente teria acreditado que ela era louca. Porquê o roteiro não desenvolve o arco dos personagens tão bem assim. As situações que permeiam o passado do Dr. Price são colocadas de forma pontual para o telespectador, conectando-o com a casa, com o mal que há nela, além de nos sensibilizar com a tragetória do seu personagem quando ficamos frente-a-frente de seus fantasmas- literalmente! A trama ainda carrega consigo uma crítica à lei que legaliza o armamento nos Estados Unidos. Isso funciona quando observamos o cenário político atual do país, mas narrativamente falando soa estranho, já que o roteiro não consegue focar em um tema e abordar ele, quer contar tudo e ao mesmo tempo não entrega nada que faça com que venhamos a refletir. Uma pena!

A direção dos irmãos Spierig (Jogos Mortais: Jigsaw) é tão simples quanto o roteiro, e chega a frustrar, já que esse é um dos novos filmes do gênero que tinha potencial para ser mais. Há cenas muito bobas e que só servem para dar os velhos sustos gratuitos. Sinceramente, aquele abre e fecha de porta desnecessário me deixou de saco cheio, esse tipo de cena só empobrece a narrativa. A trilha sonora é clichê, e aqueles vultos mal feitos é de dar nos nervos. Mas um ponto a ser destacado positivamente é a fotografia sombria e escura na medida certa que conferiu à casa uma áurea macabra, o que assustava por si só.

De modo geral, a temática de A maldição da casa Winchester é boa, mas poderia ser melhor aproveitada. As atuações foram corretas, dando destaque para Hellen Mirren que estava muito bem mesmo diante de um roteiro que atirava pra todo lado, e isso faz com que fiquemos presos na sala durante os 99min do filme. Vamos ver o que os outros longas do gênero vão ter para nos oferecer esse ano. Poderia ser melhor, mas até que vale teu ingresso.