Imagine a seguinte situação, algumas milhares de pessoas nascem com poderes sobrenaturais, alguns deles durante anos foi tido como útil a sociedade e trabalhavam com seus dons afim de manter o lucro de poderosos, ate que o dia essas pessoas foram substituídos por maquinas, e aquilo que um dia fora sua vantagem, hoje é sua maldição.

Pois bem essa é a premissa do CODE 8 – Renegados, um filme com nomes conhecidos do entretenimento, o filme é estrelado por Robbie Amell (The Duff, Aquivo X), Sung Kang (Velozes e Furiosos) e Stephen Amell (Arrow), que também produziu o curta e o longa-metragem.

A história acompanha um jovem com poderes especiais (Robbie Amell) lutando para encontrar trabalho para sustentar a sua mãe doente. Em sua realidade distopica, 4% da população nasce com algum tipo de habilidade sobrenatural, mas em vez de serem super-heróis ricos, a maioria deles vivem na pobreza. Sem empregos acabam recorrendo ao crime, forçando a polícia a se tornar mais militarizada e mais brutal.

Certamente o filme tem fortes inspirações em sucessos como:  Distrito 9 e Poder Sem Limites, mas tudo sendo feito bem natural, sabendo aproveitar essas similaridades em benefício próprio, ou invés ser um fazer o simples copie e cole.

 Vale ressaltar que a trama nasceu de um curta-metragem que que foi idealizado pelos Primos Amell. Em abril de 2016 eles decidiram produzir de forma independente Code 8, um curta-metragem de ação e ficção científica. Pouco mais de um mês após a estreia do curta, a campanha de financiamento coletivo de Code 8: Renegados foi um sucesso absoluto. Com uma meta de US$ 200 mil dólares, foi arrecadado pouco mais de US$ 2,5 milhões, levantando 12 vezes o valor estipulado.

O filme trás grandes pontos positivos, como por exemplo os efeitos especiais, o diretor Jeff Chan, sempre idealizou fazer uma ficção cientifica muito mais assertiva e não muito fantasiosa. O que é bem perceptível, toda vez que ocorre a entrada da policia militarizada e armada com drones e agentes robôs e também quando algum especial utiliza seus poderes.

 Outro ponto positivo é que apesar de se tratar de um filme de ação, a trama não gira em torno de excessivas cenas de violência, obviamente tem, mas o roteiro trabalha bem com outras questões. Como as camadas de seus personagens, os dilemas morais, a sociedade doente de preconceituosa. Muita dessa linha de trabalho faz o público refletir o que realmente é certo e errado? O que eu faria naquela situação?

Vale a pena ressaltar que a pegada cyberpunk do filme agrada bastante e entretém muitíssimo aos fãs desse gênero.

Creio que um dos pontos negativos é a que a trama é riquíssima, porem esta limitada, deixando uma sensação de que não foi bem aproveitada e que tem pontas soltas que precisamos entender. Com toda a certeza a história daria uma extensa franquia de filmes ou até mesmo um seriado.

Já foi confirmado que a história terá uma continuação, mas fica subentendido que a continuação se refere ao curta e não ao longa-metragem. Code 8 se tornara uma franquia com uma série de TV produzida pelo Quibi, uma plataforma de streaming de curtas lançada recentemente nos EUA. Os episódios da série terão duração de ate no máximo 10 minutos. Jeff Chan, que dirigiu as duas versões do filme também será o responsável pela direção da série o roteiro ainda seguira nas mãos de Chris Paré, outro envolvido no projeto desde 2016.