O último filme dos mutantes está entre nós. "Fênix Negra" encerra o arco dos X-Men na Fox e em um clima bem emocional, constrói uma jornada consistente e dramática que erra apenas na forma como encerra essa grande franquia. 

É muito interessante ver os mutantes líderes mais maduros e bem construídos em suas narrativas. Charles Xavier não é retratado como um homem que beira a pureza angelical, e Magneto finalmente encontra uma motivação mais clara para seguir. Hank, o Fera, entende o seu papel dentro da Instituição para dotados. Ciclope não é tão "banana" quanto retratado nos filmes anteriores. Jean e Tempestade então no auge do entendimento de seus poderes e conseguem dominá-los com maestria. Mais uma vez, Mística aparece liderando a equipe de mutantes e acertadamente, a Fox cumpre o que estava nos trailers e mata a mutante azul. (Não é spoiler, pois estava claro nos trailers). O Noturno, por sua vez, está muito melhor aproveitado e até se destaca em alguns momentos. Mercúrio, infelizmente, é deixado de lado e quase não serve para nada na trama do longa. 

Mas agora vamos falar da história. 

O mundo já aceita os X-MEN como parte da sociedade e tudo isso se deve aos esforços de Charles. O professor então, meio que deixa isso subir a sua cabeça, e se torna um homem orgulhoso e egocêntrico que tem o mundo nas mãos. A escola de mutantes agora está cheia de crianças, novos mutantezinhos, que enxergam ali, seus heróis em carne e osso. Os mutantes estão tão bem na fita, que após ocorrer um acidente com um ônibus espacial, o presidente americano liga diretamente para Charles pedindo ajuda. Mística não gosta da ideia. Ela vê que Charles está diferente, mas como o professor aceita a missão, ela segue para liderar os X-MEN no espaço nesta nova missão de salvamento. 

No espaço, a líder Mística, coordena a equipe e, após o fim do resgate, Jean é atingida por uma estranha energia que deveria matá-la, mas aos invés disso, a deixou muito mais forte. De volta a Terra, Jean passa por alguns exames, e  Hank a libera, pois tudo está normal. Exceto pelo fato de que os níveis de seu poder estão muito mais altos. 

Com Scott, Jean comemora a missão bem sucedida que torna os X-MEN heróis internacionais. Charles está orgulhoso. Frequenta festas chiques e importantes do governo. No entanto, em determinado momento, essa força estranha absorvida por Jean se manifesta, criando uma onda de poder que derruba todos aos redor, e fere Scott. Jean desmaia. É ai que conhecemos a Fênix Negra. 

O filme constrói os dois atos - o início e o meio - de uma forma muito dinâmica e bela. As coisas acontecem em um tempo muito acertado e a gente nem sente o tempo passando. A história nos conduz a entender os dois lados ao mesmo tempo. Jean está dividida entre esse gigantesco poder que agora possui, pois se por um lado ele a torna a mutante mais poderosa da Terra, do outro, ela não consegue controlá-lo, e isso mata as pessoas aos redor. Pessoas das quais se importa. Charles tem medo, pois manipulou a mente de Jean após o acidente que matou seus pais, para proteger a mutante de traumas que pudessem levá-la a se rebelar para o lado oposto ao dos X-MEN.

O filme explora os poderes mutantes em níveis muito mais elevados. Isso vale para todos eles. Mas Charles, Magneto e Jean possuem o seu protagonismo. Magneto agora entende melhor o seu limite, e isso se deve ao X-MEN: Apocalipse. Charles, apesar de tudo, ainda tem esperança na salvação de Jean. 

O terceiro ato, a última parte do filme entrega o que prometeu, mas falta algo. Diversas cenas nos deixa de boca aberta, mas quando chega na "batalha final" a gente fica esperando por algo que nunca vem. Talvez o filme tenha sido curto demais. Faltou mais tempo, mais dificuldade e peso na resolução final. No fim, toda a intensidade dramática que foi construída perde sua força e o filme acaba. Poxa, é o último filme com esses atores. Devia ter sido algo muito mais intenso e pesado. O longa por si só é bem intenso e até mais violento do que imaginamos. Mas assim como o filme da Mulher-Maravilha, Fênix Negra desperdiça uma oportunidade gigantesca de entregar um final digno da alta qualidade que o filme apresentou.

Até o fim do segundo ato, Fênix Negra era o melhor filme da franquia dos Mutantes, mas após o final, se tornou regular, e ainda fica atrás do Primeira Classe. 

O fato é: O filme tem mais acertos do que os outros. Ele é mais intenso e dramático. É até mais bonito. Mais bem filmado, com a direção se destacando, apesar de ser literal em alguns momentos. Ele consegue explorar bem os personagens principais e encerra alguns arcos. Michael Fassbender e James McAvoy entregam uma atuação primorosa. Os efeitos são bons. O filme tem personalidade, e se inspira bastante em Logan. Ele apresenta bons argumentos para cada decisão dos personagens e deixa uma mensagem clara sobre esperança na bondade que há dentro das pessoas e o quanto isso pode ser imutável. É a essência dos mutantes.