Em novembro de 2021 chega ao catálogo da Netflix a animação da Sony Pictures, A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas (Mitchells vs. Machines). Nesta história conhecemos a adolescente Katie Mitchell que está muito animada pois conseguiu entrar em uma faculdade de cinema e finalmente irá encontrar pessoas que pensam igual a ela. Para completar a família temos o seu pai Rick, sua mãe Linda, seu irmão mais novo Aaron e seu pug de estimação Monchi (na qual é o protagonista de vários de seus filmes). Paralelo a isto, temos Mark Bowman o fundador de uma empresa de tecnologia chamada PAL Labs que está desenvolvendo uma nova atualização de sua assistente virtual e deixando a anterior (PAL) de escanteio. Ao se sentir abandonada, PAL simplesmente se revolta e resolve controlar todas as tecnologias e capturar todos os humanos e cabe a família Mitchell salvar todo o planeta da revolta das máquinas.

Os Personagens

O filme ele tem um papel muito grande de conversar com todo o público que está assistindo, ou seja, desde as crianças até os pais. Cada personagem tem uma característica que o faz ser único e, ao mesmo tempo, comum. Acredito que muitas famílias passam por este mesmo dilema na transição do crescimento dos filhos, ou nas escolhas que eles tomam. 

  • Rick Mitchell

Ele é o pai da família Mitchell. Já faz algum tempo em que sua relação com a primogênita da família não anda tão bem. Desde que a menina cresceu e, consequentemente, ficou mais ligada as redes sociais, internet e seus próprios desejos, a relação dos dois não estava das melhores. Ele também não acredita na escolha da filha de estudar cinema. Rick acha que arte (fazer vídeos) não é uma profissão e que os empregos “formais” seriam realmente um trabalho. Para tentar se reaproximar da filha ele resolve que levará Katie, junto com a sua família, de carro até a faculdade. 

  • Linda Mitchell

A matriarca da família é Linda. No enredo ela fica como a intermediadora deste afastamento entre pai e filha. Muito engraçada e competitiva consegue, mesmo não sendo a melhor personagem, arrancar muitas risadas e ser a parte sensata das situações. Sua parte na história não envolve muito o enredo principal, ou a solução dele, mas as vezes sua participação é esquecível.

  • Aaron Mitchell

O filho mais novo da família. Aaron está passando pelo momento de crescer, se apaixonar e “perder” a sua companheira de aventuras. Ele sente muito a falta que sua irmã irá fazer agora que está indo para a faculdade e sente que não vai conseguir fazer outras amizades. Também, seu amor por dinossauros faz ele conhecer a sua primeira paixão, mas sua timidez faz ele perder todas as oportunidades de falar com ela.

  • Katie Mitchell

Ela é a filha mais velha da família e a protagonista da história. Ela se ver com a grande oportunidade de realizar seu sonho de produzir filmes e ao mesmo tempo conciliar suas inseguranças e medos. Ela está na fase que todos os adolescentes passam: o que vou fazer da minha vida? No caso de Katie ela já esta decidida mas tem um empecilho de não ser bem aceita por seu pai que não compreende suas decisões.

O Drama

A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas poderia ser simplesmente um drama familiar com alguns toques de comédia no meio. Mas ele trabalha bem todos os temas que se propõe como a ficção científica, a comédia envolvendo memes e uma animação diferenciada e o drama familiar sendo resolvidos até o final do filme. Ambas as histórias tem a mesma importância no enredo. O tom do filme é bastante equilibrado pois o drama da família conversa muito com o público e traz uma realidade “pesada” em alguns contrapontos. Por isso, Linda e Aaron, assim como os robôs, incluindo aqueles que estão ajudando a família, servem como os pontos de leveza no filme. Alguns são muito exagerados e bobos mas se for colocados como forma de equilíbrio, funciona!

A Animação

Além da história, muito bem elaborada, o que também se destaca, como o ponto mais forte, é a animação. Assim como aconteceu com Homem-Aranha: No Aranhaverso, A Família Mitchell não tem medo algum de adicionar o seu próprio visual original. Isso entra muito em conjunto com os aspectos da personalidade de Katie com adição de emojis, desenhos 2D, letreiros, memes e etc. Essas animações adicionais, ou efeitos visuais, ajudam a estabelecer não apenas Katie, mas também a todos os membros da família por uma visão dela. Isso resulta em um filme de animação incrivelmente divertido, moderno, original e envolvente.

Considerações Finais

A Família Mitchell e a Revolta das Máquinas é uma animação que deveria ser muito mais valorizada e enaltecida. Assim como a Pixar faz muito bem, ela não tem medo de trabalhar com temas bastante sérios no meio de uma animação infantil. O filme se mantem estável do começo ao fim sem perder seu ritmo nos dois enredos, claro que o foco é a família por isso eles tem mais tempo de desenvolvimento. Ele também consegue dialogar com temas atuais como o uso excessivo da internet e evolução da tecnologia mas não se propõe a explora-lo além do necessário, já que não é o foco do filme. Apesar dele ser um pouco longo, tem tudo que uma animação precisa para ser perfeita: bons personagens, boa história, muitas cenas de ação, bom equilíbrio de drama e humor com uma animação impecável.