play_arrow
Assista ao trailer: Alguém Especial | Trailer oficial [HD] | Netflix
videocam

A Netflix incansavelmente busca aumentar ainda mais a faixa etária de público que acompanha suas produções, lançando assim filmes e séries que abordem a realidade daquele público alvo. O lançamento de Alguém Especial é prioritariamente para mulheres acima de 30 anos, mas que nos faz entender a chuva de sentimentos decorrentes de um fim de um relacionamento.

Na comédia, Jenny (Gina Rodriguez) é uma jornalista de 30 anos que ganha uma promoção para trabalhar na Rolling Stones em São Francisco. Com a mudança, seu relacionamento de nove anos se finda e ela se vê em uma encruzilhada de sofrimento e tristeza.

O mais interessante do filme é que ele se passa inteiro em um único dia e nossa querida Jenny passa por quase todas as fases de um fim de relacionamento. Junto com suas melhores amigas Erin (DeWanda Wise) e Blair (Brittany Snow), ela consegue absorver cada momento e reviver as boas histórias com Nate (Lakeith Stanfield) através de flashbacks.

Para mim essa foi de fato a grande sacada do roteiro. Jenny é uma mulher que todas nós queríamos ser um dia: bem sucedida, com um namoro instável, divertida, bonita e inteligente. No entanto, usar as melhores qualidades dela não nos faz aproximar ainda mais da personagem, mas sim quando ela está acabada e sofrendo é que podemos nos identificar. Além do belo trabalho de Gina na atuação da personagem.

Primeiro porque deve ser horrível acabar do nada um relacionamento de nove anos. E a mudança no caso é só um plano de fundo para um relacionamento cheio de problemas, que só vamos entender no final. Por todos os flashbacks vemos momentos fofos dos dois, o que não ajuda a entender o fim do namoro.  

Jenny passa da tristeza para a gratidão durante várias fases do dia, inclusive ao encontrar com uma prima de Nate ao qual não tem tanta aproximação. A raiva e obsessão dão lugar a uma Jenny consciente que escreve ao fim do filme uma carta de despedida. O mais interessante é que na carta ela aceita e compreende o fim, mas enquanto sonha, seu desejo íntimo era de que Nate fosse atrás dela e prometesse tentar a distância.

De fato só quem ama incondicionalmente sabe o quão é difícil deixar partir, pois o sentimento nunca morre. Mas o aprendizado e o tentar aceitar são o mais importante no processo de superação.

A comédia assim se torna leve com as amigas doidas de Jenny que a todo custo tentam a animar, mesmo com seus conflitos internos acontecendo paralelamente.  Erin é uma típica mulher que não aceita crescer e que tem problemas em se deixar levar pela relação com a namorada e o seu medo de relacionamento mais sérios. Já Blair vive um relacionamento de anos que já acabou faz tempo e que ela não aceita por simplesmente não fazer parte dos seus planos de antes dos 30 anos.

Lógico que várias partes do filme podiam ser melhores exploradas para uma melhor conclusão da história, mas nem mesmo a alta incisão de bebidas e drogas desnecessárias para o andamento da história atrapalharam a experiência.

No fim, Alguém Especial nos apresenta uma narrativa de amizade sincera com regulagens e apoios necessários, além de nos contar uma linda história de amor que não morre com o fim.