Em seu lançamento, Superman - O Retorno arrecadou 391,1 milhões USD mundialmente. Esse desempenho foi considerado um fracasso pela Warner Bros., resultando no cancelamento de possíveis sequências. O herói só foi ganhar outra adaptação cinematográfica em 2013 com O Homem de Aço, responsável por iniciar o DCEU.

O filme de 2006 é motivo de discussão até os dias de hoje. Enquanto muitos defendem as ideias abordadas no longa, outros criticam a enorme duração, poucas cenas de ação e a escolha do elenco. É certo dizer que a obra caiu no esquecimento do grande público com o passar do anos.

Mas qual seria o real motivo para Superman - O Retorno dividir opiniões?

Um novo filme do Superman estava nos planos da Warner Bros. desde o final dos anos 90. Em 2002, J. J. Abrams (Lost e Star Trek) entregou um roteiro com o nome de Superman Flyby. Vários nomes passaram pelo cargo de diretor, mas somente em 2004 Bryan Singer (X-Men: O Filme) assumiu o comando do projeto. O cineasta descartou todas as ideias mirabolantes de Abrams e chamou os seus amigos Dan Harris e Michael Dougherty para escrever uma nova história. Foi decidido que o longa seria uma continuação do universo protagonizado Christopher Reeve, ignorando os acontecimentos de Superman IIIIV. Depois de vários testes, o desconhecido Brandon Routh foi escalado para o papel principal.

Na trama, o herói desaparece após astrônomos encontrarem vestígios de seu planeta natal, Krypton. Ao voltar para a Terra, ele percebe que tudo está diferente, Lois Lane (Kate Bosworth) está comprometida e também tem um filho. Enquanto isso, Lex Luthor (Kevin Spacey) inicia um plano que ameaça a vida de bilhões de pessoas.

O foco de Bryan Singer é deixar de lado as cenas de ação épicas para mostrar temas mais complexos para o Homem de Aço, como o drama do personagem não conseguir ter uma vida feliz por ser o último de sua espécie. Na época, o gênero de super-herói ainda estava ganhado forma e as únicas referências eram Homem-Aranha e Batman Begins. Enredos adultos e filosóficos não eram o bastante para agradar todo o público, principalmente as crianças. Os mais novos não vão para o cinema apenas para ver o Superman salvando civis de desastres.

A decisão de Singer pode até ser questionável, mas não há como negar que o diretor conseguiu criar momentos icônicos. A cena em que o herói repete as palavras de Jor-El (enquanto vê seu filho dormindo) deixa qualquer fã adulto arrepiado. 

"Você será diferente. Às vezes, você se sentirá excluído, mas nunca estará sozinho. Você tornará minha força a sua. Você verá minha vida através de seus olhos como sua vida será vista através dos meus. O filho se torna pai e o pai se torna filho." 

O design de produção conseguiu criar um visual retrô em um mundo realista sem parecer brega e datado. O uniforme é um belo exemplo de como modernizar algo sem perder a essência. O tema original, composto por John Williams, ganha pequenas alterações por John Ottman. Diálogos e cenas clássicas do filme de 1978 também são refeitas.   

Brandon Routh foi bastante criticado, mas a sua performance não atrapalha em momento nenhum. Apesar da inexperiência, o ator segurou a barra em substituir Christopher Reeve. Sua relação com Kate Bosworth é bem trabalhada. Contudo, o que mais chama a atenção é Kevin Spacey (quando ainda era respeitado) como Lex Luthor. O personagem é aquela típica caricatura, mas o astro consegue construir um vilão divertido e ameaçador. Lex até ganha um momento para humilhar o seu maior rival.

Superman - O Retorno mostra o grande amor que Bryan Singer tem pelo herói. O diretor entende os dilemas do personagem e sabe o tom que precisa para colocar o Homem de Aço questionando sua existência.