Quando a titia Ryan Murphy quer fazer a nossa boca cair no chão, parece que o mundo vira de cabeça pra baixo e tudo funciona, mas também quando esse mesmo ser das trevas abandona suas produções, isso significa que vamos sofrer. Foi o que aconteceu no 8x08, “Sojourn”, uma bomba que só serviu pra contar uma história que já sabíamos e dar a origem de um plot sem graça e que fugiu completamente da temática da temporada, mesmo sendo um grande ponto a ser trabalhado e explicado.

Começando exatamente onde paramos no episódio passado, Michael descobre que Cordelia queimou Mead viva e ainda escondeu a sua alma no inferno através de um feitiço ultra secreto que só ela sabe e que nenhum poder do FILHO DO SATANÁS pode tirar dela, mesmo que em todos os momentos em que ele precisava de algo, conseguia por meio de seus poderes infinitos e o super recurso de roteiro, conhecido como Deus Ex Machina que sambou nessa temporada inteira. Pra quem não sabe, Deus Ex Machina é um recurso usado em enredos complicados quando se utiliza algo na história, como um personagem, pra resolver todas as pontas soltas do roteiro. Nesse caso, se ainda não ficou claro, o poder de Michael Langdon como “O ANTICRISTO” foi o grande catalisador dessa temporada, junto a todos os poderes que caracterizam o Coven.

Voltando a narrativa, Langdon jura a Cordelia que irá se vingar exatamente como a Leona assassina vingativa prometeu um dia a aleijada hipócrita e vai até um bosque, desenha um pentagrama no chão e pede alguma resposta ao seu doce papai.

Pareceu eu desenhando o sol no chão e fazendo a dança da chuva quando tava chovendo e minha mãe não me deixava ir brincar. Comparações à parte, vamos fazer só mais uma observação de que toda essa cena de Michael delirando enquanto passava fome e sede, no meio da floresta esperando uma resposta e sendo tentado por alucinações de crianças bonitinhas oferecendo comida, pareceu muito uma referência bíblica ao momento em que Jesus Cristo é tentado pelo diabo quando passa 40 dias no deserto.

No fim, Michael grita aos céus perguntando o que caralhos ele precisa fazer e alguém também ficou se perguntando porque ele pergunta isso olhando para o céu se a resposta vem exatamente do lugar oposto?

Em sua jornada como mau samaritano passando fome, Michael encontra (o que ainda não entendi se foi uma coincidência ou resposta de suas preces ao diabo) a igreja que celebra o satanismo e ao assistir uma das cerimônias, entende que eles ainda esperam a vinda do anticristo, justificando suas más ações como maneiras de clamar esse retorno, na esperança de que alguém tenha coragem suficiente de cometer algo tão ruim que o filho da satanás finalmente apareça. Langdon acaba conhecendo uma amiga que o leva pra casa dela para explicar como funciona a troca de favores com o satanás, mostrando tudo o que ganhou, inclusive transar com o Brad Pitt as quartas e com Ryan Reynods as sextas e assim fica provado que no mínimo, Ryan Murphy ainda dá o seu toque nesse roteiro horrível.

Não demora muito para que Langdon se apresente para a igreja como o verdadeiro anticristo, mas ainda assim fica puto porque Mead está morta, e é a partir daí que a cooperativa que apareceu lá no começo da temporada, é apresentada. A poc do satan vai até a cooperativa e conhece dois cientistas que trabalham com tecnologia de ponta, envolvendo a criação de robôs. É claro que já fica óbvio o objetivo ali, toda essa trama é apresentada pra mostrar como Mead foi criada e também, possivelmente qual a relação de Michael Langdon com o Apocalypse.

Esse episódio foi a prova clara que essa temporada só veio funcionando até agora quando os elementos do crossover, claro que muito mais de Coven, apareciam. A nostalgia de ver todas as personagens juntas novamente e saber o que aconteceu depois do fim das respectivas temporadas foi a gratificação que vem fazendo essa temporada ainda ter fôlego e em alguns momentos, parecer muito legal e até mais que isso. Não estou dizendo que o episódio foi ruim porque foi focado numa narrativa distante dos antigos personagens, mas sim pelo motivo de que a narrativa apresentada foi má construída e não pegou de jeito nenhum.

Highlights:

1. Mais uma vez, porque toda vez que alguém invoca o satanás, olha pra cima???

2. Porque o cabelo a Venable tava daquela cor?

3. Sarah Paulson completamente avulsa no episódio e ainda assim necessária.

4. Me recuso a falar qualquer coisa sobre as perucas do Evan Peters e do Billy Eichner

5. Começando a ter pena do Ryan Murphy depois do que a Kathy Bates vai fazer com ele quando essa temporada acabar

6. Uma imagem que significa essa temporada: