play_arrow
Assista ao trailer: The End of the F***ing World: Temporada 2 | Trailer oficial | Netflix
videocam

A despretensão continua graças à netflix que fez o mundo inteiro pedir uma sequência para The end of the F***ing World, só que dessa vez as mulheres tomam conta de tudo.

Não é como se o protagonista James vivido pelo fofíssimo Alex Lawther sumisse, mas todo o protagonismo que ele recebeu no primeiro ano acaba sendo ofuscado tanto por sua companheira veterana de cena, Jessica Barden com sua maravilhosa/espinhosa, chata/amável,  Alyssa como também pela nova adição ao elenco, Naomi Ackie que de cara já protagoniza o primeiro episódio com a assustadora mas ao mesmo tempo inocente, Bonnie.

Já de cara na estreia da temporada temos um episódio onde os protagonistas que já amamos praticamente não aparecem.

 

No episódio dirigido por Lucy Forbes e escrito por Charlie Covell (que também é a criadora da série) e Chales S. Forsman, tivemos uma espécie de história de origem do vilão. Bonnie foi apresentada como um personagem específico e é claro que de primeira não dá para entender muita coisa do que está acontecendo, mas essas dúvidas e confusão logo se dissipam, seja pela estética muito marcante da série que nos traz diretamente para esse universo e também pela revelação de um personagem muito específico e importante da última temporada e que se relaciona diretamente com uma das protagonistas da temporada, dando mote para todo o plot que carrega a nova leva de episódios.

Combinando o final do último ano, onde James está prestes a possivelmente ser gravemente ferido e também ao trailer da nova temporada, os produtores decidiram plantar a dúvida se ele voltaria vivo ou não. Mesmo que a série tenha sido conhecido por quebrar algumas expectativas, acho que não era para tanto… Era óbvio que ele iria retornar, gente.

Todo esse suspense talvez tenha interferido um pouco em um maior domínio de tela do personagem. Ficou claro que Alyssa teve um foco maior dessa vez e não foi, nem um pouco, algo negativo. A personagem apresentou um crescimento importante e a série soube mostrar isso da melhor maneira, seja com os cortes rápidos que compararam momentos do passado semelhantes ao que está acontecendo no presente ou seja simplesmente focando nas ações e motivações dela, que definitivamente mudaram de lá pra cá. É claro que a essência da personagem continua; aquele mau humor e a presença de uma ironia quase como um personagem extra provavelmente sempre serão a maior característica dela.

Bonnie também foi uma surpresa boa como alguém que temos pena, sentimos raiva e depois sentimos pena outra vez. É claro que seja qualquer sentimento de afeto que ela nos toque, os dois protagonistas originais sempre serão priorizados como preferência do público, mas ainda assim foi ótima a construção do enredo dela, nos fazendo compreender que ao final, ela não é muito diferente daqueles a quem já amamos e compreendemos antes na série e é claro, mesmo com toda a estranheza ou para ser mais específico, as mãos sujas do sangue de alguém que foi assassinado. 

A construção das cenas, fotografia e design continuam impecáveis. A imersão naquele mundo estranhamente acolhedor e cheio de aventuras permanece como a principal identidade da produção. O corte rápido de cenas, que já faz parte da identidade da série, foi perfeito e contribuiu para uma cena que levou ao maior susto que já tivemos em toda a série...

Deu pra perceber um pouco alguns deslizes de roteiro meio que forçando um pouco para a semelhança com o primeiro ano, mas ainda assim a qualidade se manteve, incluindo todas as referências possíveis a clássicos do cinema como a principal delas do filme Psicose de 1960.

The End of the F***ing World continua incrível, contando com atuações interessantíssimas, cortes rápidos nunca tão certeiros, design e construção de mundo calorosamente adoráveis. Mesmo com um roteiro um pouco afetado pelos malefícios de toda continuação de uma obra original muito boa, a produção consegue se manter muito bem e apresenta um final fechando todos os plots principais, mas mesmo com a confirmação da própria criadora da série que esse é o final não seria impossível uma nova continuação.