Não é de hoje que as produções sul coreanas vêm chamando a atenção do ocidente, quer seja através de seus fantásticos filmes ou por seus K-dramas. Um dos grandes nomes do dessa nova safra é Yeon Sang-ho, conhecido por sua direção em Invasão Zumbi (2016) e Península (2020), desta vez nos presenteia com mais uma obra, Profecia do inferno (Hellbound), desta vez assinando a direção e o roteiro.

Profecia do Inferno exalta um aspecto não exclusivo da sociedade coreana, a dessensibilização e o espetáculo do sofrimento que têm ganhado cada vez mais cartaz ao redor do mundo. Porém o novo k-drama da Netflix tem uma pitada a mais e inclui o fanatismo religioso em uma trama já intensa.

Ver a imagem de origem

A Trama

Uma face fantasmagórica começa a aparecer para algumas pessoas ditando o dia e a hora exata em que elas morrerão, como uma profecia de condenação. Quando chegado o dia, três figuras sombrias maciças vão ate o condenado e o levam, mas obviamente não de forma gentil, ambas fazem questão de tortura-las e fazê-las sofrerem antes de finalmente colherem sua alma, deixando apenas uma ossada carbonizada no local.

As situações a um primeiro momento parecem ser aleatórias, até que surge uma seita religiosa chamada “A nova Verdade”, que garante ter a explicação para esses acontecimentos. Jung Jin-soo (Yoo Ah-in), presidente da nova religião afirma que que as criaturas são, na verdade, anjos agindo de acordo com a vontade divina de Deus, e que essas sentenças são para pecadores e por isso receberam o que estava destinado a eles.

Ver a imagem de origem

Roteiro

Devemos pontuar nesse momento que a serie é baseada em um webtoon de mesmo nome muito popular na Coreia do Sul, inclusive de autoria do Yeon Sang-ho, O quadrinho segue a mesma premissa explorada na série, e devido ao reavivamento no interesse do público após o anúncio de que a Netflix adaptaria a história para uma série live-action, a Dark Horse Comics anunciou que irá lançar um “mangá coreano” (Manhwa) com a continuação da história.

A narrativa, a um primeiro momento para parece caótica, pois as consequências desses fenômenos sobrenaturais são abordadas na série através de duas histórias diferentes, uma contada nos três primeiros capítulos da temporada, e outra nos três finais.

A conexão se dá por meio de três personagens, os únicos a aparecerem em ambos os “segmentos” e, é claro, do desenvolvimento conceitual do universo maior que os abriga. Mesmo assim, essa escolha curiosa de estrutura narrativa deixa em suspenso arcos inteiros de personagem. Temos a história a presentada por olhos diferentes, olhos dentro da seita, fora da seita e a partir de pessoas comuns, o que pode causar estranheza e requer paciência.

Imagem

Crítica Social

Um os aspectos que impressiona em “Profecia do Inferno”, na realidade em alguns K-dramas como “Round 6” e “The Devil Jugde” é como o sofrimento de alguns, normalmente os mais pobres, são fonte de entretenimento e muitas vezes de vantagens para os poderosos.

Na premissa dessa obra, o foco é a religiosidade, algo que mesmo na era atual é instrumento de manipulação e alienação das grandes massas. A “Nova Verdade” nada mais é do que um império feito a base de mentiras, pois o próprio fundador admite que inventou toda a história de condenação ao inferno, para tentar poupar o caos e manter a sociedade em um caminho que ele decide ser o correto.

E a partir destes pensamentos novos, ideias de repressão social é são criadas, como é no caso da organização Arrowhead, capitaneada por um vlogueiro ensandecido que toma para si as rédeas divinas, fazendo um verdadeiro show de horrores e de violencia, condenando e expondo pessoas ao seu bel prazer. Obviamente sendo seguido por fanáticos, em sua boa parte adolescentes viciados em redes sociais, que agem como animais em busca de uma vítima.

O showrunner não deixa pedra sobre pedra e tem como objetivo único incomodar o espectador até não poder mais, tocando em feridas que nos faz rever o que é nossa sociedade e ate que monto a ficção é somente história? Ou você vai dizer que todo esse fanatismo com violência exacerbada não te lembra a regimes ditatoriais existente em nossa era?

Ver a imagem de origem

Elenco

Um dos pontos que fazem a trama ser tão chocante e vívida em nossa mente é realmente a atuação do elenco. Yoo Ah-in da um verdadeiro show no papel do líder religioso Jung Jin-soo, um único olhar e gesto do ator, consegue nos passar uma imagem de um ser frio, calculista e em muitos momentos uma sociopatia de nos fazer incomodar e nos sentir presos e remetidos aquele cara e seu poder de manipulação das palavras.

Kim Hyun-joo também mostra uma emoção a parte em seu papel de Min Hye-jin, uma advogada que tenta salvar uma das vítimas da condenação, mas após de se tornar uma vítima da Arrowhead e decide ir contra a nova verdade, criando uma rede a parte para a revelação das verdadeiras intenções da seita.

Ainda trago um destaque a parte par Park Jeong-min e Won Jin-ah pais do bebê que recebe uma condenação ainda na incubadora. A dor dos pais de não saber o que fazer para proteger seu filho é realmente tocante.

Ver a imagem de origem

Veredito

A série expõe, de maneira concisa, como determinadas instituições se articulam, reforçando a pauta da moralidade sobre uma capa de hipocrisia, algo que não está tão longe da realidade, principalmente quando notícias sobre os bastidores de inúmeras igrejas vêm à tona.

Por esse motivo, Profecia do Inferno é bastante interessante no quesito alegórico e crítico, as criaturas sobrenaturais também surgem na narrativa para reforçar determinadas hipóteses. E a construção dramática das cenas funciona como um ponto forte, sempre a serviço da história, impactando diretamente a audiência, que, certamente, se envolverá com o ritmo a cada novo episódio.

A forma como os “plot twist” são jogada a nós, reforça o quão primoroso são as obras Sul Coreanas, que trazem ao publico tramas elaboradas, criativas e instigantes. “Profecia do Inferno”, é uma das tantas obras que faz ansiamos por mais.