play_arrow
Assista ao trailer: The Purge TV Series Season 2 Teaser Promo (HD)
videocam

Inspirada na franquia de sucesso Uma Noite de Crime, que está em seu quarto filme, The Purge é uma série do Prime Video que tem a promessa de ser tão envolvente quanto os longas, entregando uma linha de acontecimentos que ocorrem antes e principalmente durante o expurgo.

Na noite do crime, ou noite de purificação, qualquer ato de violência é legal. 12 horas dedicadas a qualquer tipo de atrocidade. Em outras palavras, a matança tá liberada pra geral fazer o que quiser. Já pensou? As leis não existem, os canais de socorro deixam de funcionar. A promessa realmente é desafiadora e muito interessante, e é nessa linha que a série tenta seguir. Tenta...

A narrativa é espalhada em oito episódios, e talvez tenha sido este o problema para tornar as primeiras horas um engate que pudesse te envolver, mas não é bem isso que acontece. A série se arrasta tentando entregar até algo que se sobressaia, que chame atenção, expresse foco, mas as tentativas tornam tudo mais cansativo e repetitivo, como acontece nos filmes três e quatro.

Os personagens são outro ponto a serem explorados a parte, já que nesta temporada, nenhum deles se destaca com louvor. Não sabemos bem qual é o principal, já que durante os eps, a série te apresenta outros personagens que pouco se conectam, é tudo muito superficial, como histórias únicas vagando na narrativa, mas chegaremos a esse ponto um pouco mais a frente e isso pode não ser um problema dependendo do seu ponto de vista.

Mesmo com todos os seus erros, The Purge não é só desgraça. De repente, eis que surge uma luz no fim do túnel e a coisa começa finalmente a engatar logo depois das quatro primeiras horas - um pouco tarde, eu sei - entregando uma narrativa legal, envolvente, e parecida com a que vimos nos primeiros filmes da franquia cinematográfica.

As ideias são muitas e vimos que a direção de Anthony Hemingway quer sim entregar algo a mais que os filmes, com ideias e assuntos polêmicos, e consegue muito bem a proeza, mas muita coisa é deixada para depois - poderia usar agora né?

De todos os personagens principais, Miguel (Gabriel Chavarria) e Jane (Amanda Mason Warren) são os mais interessantes, ainda assim rasos, e mesmo que tenha feedbacks da vida dos personagens, o programa não convence e fica tudo muito solto. Em alguns casos, os flash's são colocados aleatoriamente sem qualquer ponto chave para serem soltados, é estranho. A imagem e a fotografia são as mesmas trabalhadas nos longas, então quem gosta dos filmes sem dúvidas irá gostar da série, e convenhamos, ela está muito melhor que os últimos filmes da franquia.

É complicado imaginar quem é o vilão da história, já que todos podem ser o vilão, mas ele existe e meio que dá uma reviravolta interessante na narrativa, é ai que os personagens se conectam - um pouco tarde - mas é algo que a gente espera que aconteça desde os primeiros episódios. 

Barbarie, atrocidades,  bizarrices e as coisas que não fazem qualquer sentido integram The Purgue, e chega a ser engraçado - trágico não? -, porque são tantas barbaridades que nos perguntamos o que mais essa série pode mostrar de terrível. E isso sim é bem legal, convenhamos. 

Os cenários são um show a parte! A música pesada torna o clima ainda mais dark, o que cria um campo de possibilidades a mais para os próximos anos. Religião, crenças e outros pontos de vistas estranhos também existem, e cá entre nós, causam uma indiferença gigante, já que se tratando da humanidade, o que esperar mais, não é mesmo? - dá um desgostinho-  E juro que eu estava bem curioso para saber porque eles usam máscaras e roupas estranhas nesta noite, algo que nos filmes não tem explicação.

The Purge já está renovada para a segunda temporada pelo canal norte-americano USA  - novos episódios chegam dia 4 de setembro - e é bem provável que estreie como uma produção original no Prime Vídeo, onde mais uma vez veremos a noite do crime criar novas vítimas. Só espero que a facada não seja no roteiro e que quem venha a sofrer seja a gente com uma história repetitiva e cansada como acontece nos últimos longas.