play_arrow
Assista ao trailer: SAMANTHA! | Temporada 2 Trailer Oficial | Netflix
videocam

Depois de uma primeira temporada (crítica aqui) cheia de referências aos anos 80 e a TV brasileira, Samantha! volta nesse novo ano com uma roupagem diferente e um novo propósito.

O fantasma da estrela mirim ainda persegue Samantha (Emanuelle Araújo), que nessa temporada luta com traumas passados e sua caçada pela atriz que resolve se tornar.

Diferente da primeira temporada onde ela usa sempre a premissa de já ser famosa, nessa fase Samantha já está mais consciente de sua atual situação e tenta se desvencilhar da acusação de que nunca cresceu.

Basicamente os episódios se dividem em três momentos: quando Samantha descobre que Tico (Rodrigo Pandolfo) e Bolota (Maurício Xavier) vão fazer um filme sobre ela, a busca por um novo trabalho e a luta com traumas do passado.

Assim, conseguimos enxergar uma nova menina mulher com problemas psicológicos que ainda não tinham sido trabalhados para “justificar” sua personalidade. Samantha foi abandonada e criada pelo show business. Não teve pai nem mãe e a sua única referência de adulto era o cigarrinho. Era de se entender tamanho ódio quando ela era obrigada a fazer especiais de Dia das Mães.

O desfecho do filme Samonstra também foi bem interessante com ela se preocupando horrores e o filme sendo um fracasso. Também foi uma ótima desculpa para a introdução da Layla (Lorena Comparato) e seus dramas surreais. Eu gostei da interação das duas, sendo bem importantes para a história. O único ponto negativo foi usarem tão pouco o Tico e o Bolota nesse plot.

O plano mais bem desenvolvido foi quando Samantha foi colocada contra parede para de fato se tornar uma atriz de verdade, e não um protótipo infantil da televisão. O papel na peça e ela conseguir trabalhar no Teatro foi assim uma grande vitória para a nossa estrela.

O desenvolvimento dos episódios são muito bem aproveitados, com ganchos quase perfeitos entre uns e os outros, sem perder a história e aproveitando o personagem para o outro plot.

Inclusive as histórias paralelas também complementam bem a narrativa. As crianças continuaram um show a parte e a introdução de Socorro (Zezé Barbosa), mãe do Dodói (Douglas Silva) foi um acerto. Fez o personagem crescer e enfrentar também seus próprios traumas. Inclusive Marcinho (Daniel Furlan) voltou ainda mais cômico e suas aparições foram maravilhosas.

A narrativa de Brandon (Cauã Gonçalves) ser filho adotivo, no entanto, podia ser melhor trabalhado. Por serem episódios muito pequenos, talvez o espaço tenha atrapalhado. A descoberta dele, junto com a relação que ele vem desenvolvendo com o pais poderia ser mais bem trabalhada, e com mais emoção. De fato ficou parecendo que não era um plot sério e era mais para fazer graça mesmo.

A única coisa que eu senti bastante falta foi das músicas nostálgicas tão presentes na primeira temporada. Apesar de ainda permanecer com os flashs do passado, não tem a mesma pegada das referências e números musicais.

Repito assim o que disse na crítica da primeira temporada: Samantha! não foi feita para rachar de rir. É uma comédia leve com críticas sociais sutis dentro da narrativa.

Com o aprofundamento e um final fofo e empolgante, Samantha! continua sendo uma das produções mais interessantes para se acompanhar no cenário brasileiro. Fica fácil assim se identificar com os personagens e continuar a não deixar de acreditar.