play_arrow
Assista ao trailer: Jane the Virgin | Trailer Estendido [LEGENDADO]
videocam

Vamos falar de Jane maravilhosa The Virgin. A série é super legal, tem uma pegada novelesca total mexicana e cheia de clichês, mas é disso que o povo latino gosta, não é? Quem não ama dar boas risadas com as reviravoltas malucas desse gênero? Eu pelo menos sim e já explica o porquê de eu estar adorando cada episódio. A série é inspirada na novela venezuelana Juana La Virgen, que fez muito sucesso. Daí você já sabe o porquê da CW investir nela né?

A história é a seguinte: Jane Gloriana Villanueva (Gina Rodriguez) é uma jovem de 23 anos que resolve guardar sua virgindade para depois do casamento, através da criação da avó católica. Ela, então virgem, acaba sendo inseminada artificialmente em uma de suas consultas ao ginecologista. O enredo a partir daí é incrível e cheio de ligações entre os personagens. Jane tem um noivo, Michael (Brett Dier), mas após a gravidez indesejada ela se vê num mar de indecisões. A partir daí ela resolve descobrir quem é o pai do bebê, o rico e dono do hotel Rafael (Justin Baldoni), antigo crush da nossa querida Jane. Ahá, enredo mexicano feelings.

É maravilhoso o desenrolar da história com Jane conhecendo o pai, o astro de telenovela Rogelio De La Veiga (Jaime Camil), se adaptando a gravidez e sim, se dividindo entre os dois amores perfeitos que tentam conquistar seu coração.

Não podemos esquecer de sua mãe Xiomara (Andrea Navedo), que a teve com 16 anos e teve que abrir mão do sonho de ser cantora, mas que durante a temporada tenta alavancar a carreira; sua Abuela Alba (Ivonne Coll), uma imigrante ilegal nos Estados Unidos extremamente religiosa; e Petra (Yael Grobglas), a então mulher de Rafael que transita como vilã por boa parte da temporada. Deixo as nuances de cada um para vocês descobrirem acompanhando a série.

Munido de muito humor, muita ação, investigações em volta de Sin Rostro, o traficante que todo mundo tenta encontrar (sim, ainda há espaço para esse tipo de temática), Jane tentando se tornar uma grande escritora e todos os tramites com a família Solano faz com que a história seja muito envolvente e bem conduzida, entrelaçando as histórias e os personagens sem deixar tantas pontas soltas e agradando ao público.

Ainda podemos contar com as interferências maravilhosas do narrador, sempre com comentários acerca do que se passa, sem incomodar ou se tornar chato. E ainda serve para cobrir possíveis erros (propositais ou não) de continuidade, permitindo voltar na história para contar algo que ficou faltando para o público. Flashbacks e ferramentas interativas também são utilizados com frequência durante os episódios.

O desfecho da temporada é bem clichê, mas um clichê bom que dá abertura para a segunda temporada, que promete manter o nível da primeira (aguardem novas críticas com mais detalhes do enredo seguinte).

A série tem as 2 primeiras temporadas na Netflix e passa no canal fechado Lifetime. A primeira temporada conta com 22 episódios de 40 minutos de duração em média. Vale a pena conferir!!