Se não estão familiarizados com este drama sobrenatural da autoria de Eliot Laurence, Vou dar um breve resumo.

Leia a critica da primeira temporada de Motherland Fort Salem.

Motherland: Fort Salem teve a sua estreia na primavera de 2020, através do canal americano Freeform. A série tem lugar num universo distópico, no qual a perseguição às bruxas termina em um acordo de militar, o que leva a todas as jovens com poderes sobrenaturais sejam recrutadas para um serviço militar obrigatório ao atingirem a maioridade.

É neste contexto que conhecemos as nossas protagonistas: Raelle Collar (Taylor Hickson), Abigail Bellweather (Ashley Nicole Williams) e Tally Craven (Jessica Sutton), três bruxas provenientes de cantos diferentes do país, e com poderes completamente distintos e agora elas se veem forçadas e tem que se adaptar como uma unidade,  a esta nova realidade nas forças armadas.

Ver a imagem de origem
Tally, Abigail, Raelle

A nova trama

Ao longo da primeira temporada da série, acompanhamos o jovem trio na sua luta contra os Spree, uma organização terrorista composta por bruxas dissidentes que ameaça a segurança mundial, colocando em perigo tanto militares, como civis.

O objetivo da Spree é terminar com o alistamento obrigatório e subjugação das bruxas ao serviço das forças armadas, onde são utilizadas como autênticas máquinas de guerra pelos governos que servem, os Spree infiltram os vários ramos da instituição militar, sabotando missões e contribuindo para o crescente sentimento anti-bruxa com os seus ataques. No entanto, o final da temporada traz consigo uma reviravolta: afinal, os Spree não são o único grupo que deve preocupar as nossas personagens.

Existe, também, um inimigo de longa data que regressa agora do seu esconderijo, ameaçando todo o mundo sobrenatural – Spree ou militar.

O inimigo agora é outro!

Nessa nova temporada a Camarilla (uma associação criada e mantida por caçadores de bruxas) aparece como a grande antagonista, elevando o nível perigo. Ao apresentar um inimigo em comum às restantes facções,  é colocado em prova a capacidade,  os conhecimentos e os poderes das nossas personagens e, também, o surgimento de alianças pouco prováveis entre Spree e militares.

Essa instituição de caçadores nunca deixou de existir, como fora anunciado. Muito pelo contrario, ele estava em repouso, se beneficiando da briga entre  as bruxas para evoluir seus métodos de caça. 

Atualmente eles não trazem tochas e garfos, ou forças. Eles se modernizaram usando a ciência como forma de arma, usando as próprias vozes das bruxas contra elas. Alimentando-se do ódio, eles semeiam a discordia para colher o caos e assim o conseguem!

Imagem
Com a invasão da Camarilla, nem o Fort Salem  é seguro

Novas Habilidades

No meio desse novo caos temos algumas evoluções notáveis, Tally é uma das evoluções mais pertinentes, conhecida como a pessoa mais bondosa do trio, ela de certa forma era considerada fraca e frágil em comparação com a fúria de Raelle e a habilidade nata de Abigail. 

Porém nessa nova temporada vemos Tally ser o elo principal que rotaciona a trama. Depois de um breve tempo sendo anciã da General Alder, a bruxa começa a ter algumas habilidades crescerem, como o talento quase que único de visualizar as ondas sonoras com menor que elas sejam, o que faz com que ela se conecte de certa forma a lembranças de alguém. E é através disso que ela consegue encontrar a ligação entre os militares e os Spree.

Imagem
Tally, entendendo suas habilidades

Vale ressaltar que apesar das novas Habilidades Tally não perde o seu jeitinho, seu senso de justiça está mais forte do que nunca. Para ela não há confiança onde não existe verdade e de nenhuma forma "o fim justifica os meios". E é assim que ela acaba destruindo o poder quase que imutável por mais 350 anos da general Sarah Alder.

Raelle também tem uma grande crescimento de seus poderes, agora ela é considerada a grande arma do exercito, graças a uma espécie de fungo, um ser onissiciente que decide de unir a Raelle, dando a garota um sistema de auto defesa quase que indestrutível. Confesso que me decepcionei um pouco, pois nessa temporada Raelle se curva o exercito, algo que na temporada anterior seria impossível.

Novas Alianças

Para além do nosso trio, existe ainda um duo dinâmico que funciona bastante bem, nesta nova temporada, Scylla (Amalia Holm) e Anacostia (Demetria McKinney), uma é integrante dos Spree que infiltrou o exército, na temporada anterior, e a outra uma militar que lhe conferiu uma segunda chance, tendo-a libertado depois de ter sido inevitavelmente exposta.

A relação entre ambas as personagens é algo que apreciava desde o início da série e que beneficiou em muito da principal narrativa desta temporada. Na verdade, são estas as personagens que lidam de forma mais direta com a Camarilla, trabalhando em conjunto para infiltrar a organização enquanto civis. Não estando vinculadas por qualquer tipo de código militar, Anacostia e Scylla usam todos os meios ao seu alcance para levar a cabo a sua missão, levando a alguns dos momentos mais satisfatórios – e moralmente questionáveis – desta nova trama.

Imagem
A aliança mais improvavel

A queda do poder

Tally aprende da pior maneira que o sistema que tanto admirava é corrupto. Os seus poderes de vidência ajudam ainda a colocá-la frente a frente a alguns dos elementos mais poderosos deste seu universo, conferindo-lhe a capacidade de discernir a verdade da mentira.

Muitas dessas mentiras vem da General Alder (Lyne Renée), a comandante das forças armadas e líder de Fort Salem demonstra vários  inimigos, provenientes dos seus vários séculos de existência. Se, de início, não sabemos muito sobre Sarah Alderna temporada anterior, essa, fez jus ao desvendar muito mais sobre a enigmática bruxa por detrás dos acórdãos de Salem.

 Uma vulnerabilidade inesperada vindo de Alder, coloca em evidência o lado mais humano da nossa General. Por outro, no entanto, evidencia a sua faceta mais fria e calculada, fazendo da personagem um dos elementos mais controversos e intrigantes de Motherland.

Imagem
Depois de 350 anos os fim chega

Veredito

Motherland Fort Salem,  é de longe a seria mais diferente e chamativa dos últimos anos, trazendo uma premissa instigante e nova para um ciclo já tão batido como as bruxas de Salem.  A série cria para si uma mitologia única se apropriando de diversos elementos e mitologias, já conhecidas pelo publico, para compor as características da trama.

A trama é bem amarrada, as motivações de cada personagem principal dão espaço que que elas se desenvolvam e se insiram em cenários propícios para que cresçam ainda mais.

Motherland, já foi confirmada para um nova temporada, que será a ultima, esperamos para ver qual será o final das bruxas em sua luta contra os caçadores.