play_arrow
Assista ao trailer: Pretty Little Liars: The Perfectionists | Trailer exclusivo | Legendado.
videocam

Será que temos visita, Riverdale?

Ao que tudo indica, ainda não sabemos, apenas desconfiamos. Se essa comparação seria algo bom ou ruim, também ainda não sabemos. O que temos certeza é que a produção veio certa na intenção de manter a fidelidade dos fãs mais fervorosos de Pretty Little Liars, a série original que deu origem ao um dos spin-offs mais aguardados pelo público que cresceu tentando solucionar mistérios enquanto lia teorias no tumblr.

Pretty Little Liars: The Perfectionists parece ter sido fabricada sob a fórmula quase perfeita da série que a originou, ajustada claro, para os dias de hoje. A série também conta com Marlene King como produtora executiva principal assim como é baseada em uma obra da Sara Shephard. Dessa vez, ao que parece, elas decidiram fugir um pouco mais da história original, adicionando toda um novo conceito em cima da história do livro, porém mantendo o arco principal.

De primeira, é preciso ser sincero aqui, a produção não é tão séria e adulta quanto se propôs até agora. E sim, todos sabíamos o tempo todo que essa é uma série para adolescentes que tenta atingir o mesmo público de Riverdale, por exemplo. No entanto, a série original sempre foi conhecida pela forma um pouco mais sofisticada e inteligente ao tratar seus mistérios principais assim como construção de personagens e aqui, em perfectionists, apesar de parecer que eles se esforçaram bastante na criação do universo, não fica no mesmo nível.

Fica clara a inspiração em How to get away with murder e possivelmente em outras séries do gênero que fizeram muito sucesso entre o público adulto e é exatamente esse um dos erros do spin-off, pois a sensação é que o show além de perder sua originalidade, tenta, em alguns momentos, ser mais adulto do que pode e quando isso acontece, não dá pra levar a sério. Os Showrunners deveriam aceitar e abraçar de fato o estilo de mistério brega e ao mesmo tempo tão sofisticado dentro de um público adolescente que eles sempre apresentaram, dado que a equipe principal por trás de The Perfectionists é praticamente a mesma de Pretty Little Liars.

A sensação é que não há algo realmente novo, e se há, não é tão interessante quanto um dia já foi.

Mas não há porque desistir da série. Realmente não.

O retorno de Sasha Pieterse e Janel Parrish como as já conhecidas e amadas, Alison Dilaurentis e Mona Wanderwall SDDS MONÃO respectivamente ao elenco principal, com seus papeis icônicos, foi sim um bom ponto e claramente trouxe uma força maior a série, não só pelos motivos óbvios, mas também porque todos sabemos que as duas possuem muito potencial que não foi aproveitado antes.

Os quatro novos personagens principais, Ava (Sofia Carson), Caitlin (Sydney Park), Dylan (Eli Brown) e Nolan Hotchkiss (Chris Mason) também possuem seus momentos, cada um parece ter sido bem construído, porém o destaque óbvio vai para Carson como a blogueira de moda, Ava, que parece ser a nossa nova mocinha misteriosa aqui e que combina muito com a atmosfera da série e de tudo aquilo que já amamos dentro desse universo. Por outro lado, ao que tudo indica, a amizade ou relação entre esses personagens que o roteiro tenta apresentar no primeiro episódio, não parece ser algo que venha a vingar muito de uma forma espontânea, pois a química entre eles simplesmente não é das melhores.

A adição de Kelly Rutherford como a misteriosa Claire Hotchkiss foi uma soma ao elenco, mas infelizmente ainda não deu pra ver muito de seu potencial, ao menos não pelo que já vimos em Gossip Girl, por exemplo.

O novo mistério é algo que é apresentado aos poucos ao longo de todo o episódio piloto, tendo Alison como a ponte principal entre o que o público está descobrindo e o novo universo que está sendo apresentado. Talvez pelo pouco tempo que tivemos, a apresentação das pistas foi feita de maneira nada sutil, o que faz o roteiro perder bastante qualidade, principalmente quando lembramos de como a série original era craque em criar mistérios divertidamente complicados e interessantes, incluindo a forma que era apresentado ao público. Entretanto, o contexto visto de longe, parece interessante e promissor.

A verdade é que se você entende de fato o que é a fórmula Pretty Little Liars, não fica difícil de gostar do que foi apresentado. Como li em algum artigo, talvez a TV norte-americana precise de um show como esses, talvez os adolescentes também precisem (e isso só foi eu que disse). Mesmo com um mistério, pobre e quase brega, a vista grossa, esse parece sim um entretenimento que vale a pena pelos seus personagens. Isso sem falar no ótimo design de produção que dá um show à parte e sem prometer. Obviamente tirando toda a parte dos efeitos especiais que envolvem telas de vigilância e o plot twist do primeiro episódio.

No geral, Pretty Litte Liars: The Perfectionists não veio só pra fazer a gente se complicar ainda mais quando tentar pronunciar seu nome e sim para tentar reviver os ótimos primeiros anos de sua série mãe, com a missão de trazer um frescor à narrativa e mesmo que siga um caminho muito parecido com o que já foi trilhado, dessa vez, temos a sensação que estamos comprometidos outra vez com esse novo mistério e fazia tempo que isso não acontecia.