Se você é um telespectador de filmes no Brasil certamente já ouviu a frase "Versão brasileira: Herbert Richers", geralmente utilizada logo no início das produções cinematográficas.

A frase apresenta ao público que a tradução daquele filme foi realizada pela empresa cujo nome é Herbert Richers. É isso mesmo, Herbert Richers S. A. foi uma distribuidora brasileira de filmes e também estúdio de dublagem, considerado o maior da América Latina.

O nome da empresa partiu do próprio empresário, Herbert Richers, produtor de cinema que desenvolveu a distribuidora de filmes em 1950. A Herbert Richers S. A. produziu, distribuiu e fez diversas dublagens de filmes no país.


Em 2009, com a morte do proprietário Herbert, a empresa fechou as portas. Mas o legado de uma pioneira do cinema nacional ficou marcado na memória do brasileiro que, sempre que inicia um filme, pronuncia a famosa frase "Versão brasileira: Herbert Richers".

E não é só "Herbert Richers" que é conhecido no Brasil, vários outros estúdios são conhecidos justamente pela narração com voz incomparável de Márcio Seixas antes de iniciar os filmes. "Versão Brasileira: Wan Mächer", ou popularmente conhecida como "Vam Marrer", também é uma das lembradas até hoje.

Virou bordão depois de se eternizar na maioria dos clássicos que às vezes ainda dão as caras na Sessão da Tarde, famosa por exibir filmes como "A Lagoa Azul", "De Volta para A Lagoa Azul", "Família Buscapé", "Família Adams" e tantos outros filmes que até hoje são amados por todo brasileiro.

E para fechar com chave de ouro um vídeo belíssimo de Márcio Seixas - narrador da Herbert Richers, em que fala sobre sua trajetória no estúdio e como foi doloroso o fechamento da empresa. Confira, é muito emocionante:

Então se você lembra dessa frase até hoje, podemos dizer que sim, você teve infância.

Colaboração: Lucas Araújo