ATENÇÃO: HÁ SPOILERS DE ASCENSÃO SKYWALKER

Aqui quem fala é uma grande fã de Star Wars e uma mulher super romântica e piegas.

Pode ser que não agrade muita gente, especialmente os fãs mais conservadores da saga. Mas, na minha opinião, romance sempre foi um dos pilares de Guerra nas Estrelas (traduzido), e dessa forma, o mínimo que eu e bastante gente esperávamos é que nessa nova trilogia, tivéssemos outro casal para chamar de nosso, tão legal quanto Han Solo e Leia, e para alguns, diferente do melodrama de Anakin e Padmé.

Não obstante, o que me deixou surpresa foi a maneira como esse novo casal foi acontecendo. Desde O despertar da Força, ficou nítido que Kylo Ren e Rey possuíam uma conexão incomum. Na cena do interrogatório, na nave da Primeira Ordem, quando os olhares se cruzaram pela primeira vez, os fãs já começaram a sentir que havia algo a mais entre os dois. Pensem, por que Kylo Ren decide levar Rey para a nave ao invés de procurar um pouco mais por BB-8? A Força já estava dando seus pulos para juntá-los.

Em Os últimos Jedi, essa conexão entre ambos foi ampliada, e fomos sentindo como eles eram parecidos, mesmo em lados opostos. Como se realmente um completasse o outro e eles acabassem sendo um na Força e na vida. 

Todas as cenas abriram precedentes para os fãs ficarem ainda mais empolgados e pedindo que Reylo deixasse de ser um simples ship de internet e passasse a ser cânone. O que acontece em A Ascensão Skywalker.

Honestamente, a princípio eu não queria a redenção de Kylo Ren. Depois que ele matou Han Solo no primeiro filme desta trilogia, e Snoke no segundo, seu arco como grande vilão estava sendo construído para ser derrotado pela Rey no terceiro e se tornar tão grande quanto seu avô Darth Vader. Mas, o 9º filme me surpreendeu a não só trazer Ben Solo de volta como mostrar desde o início o desejo dele de ficar com a Rey. Ao mesmo tempo, a conexão entre eles está tão forte que conseguem pegar objetos um do outro, além de saber onde cada um está.

Ao longo do filme, a relação dos dois vai crescendo. Mesmo que as intenções no início não sejam equilibrar a Força, a união deles acaba por fazer isto acontecer. Por causa de Leia, seu filho é redimido. E Rey, após curar Kylo de um golpe de sabre de luz numa luta feroz, confessa que queria aceitar sua "mão", mas só se fosse a mão do Ben Solo e não de Kylo Ren.

Por fim, eles lutam juntos, numa cena espetacular de completa conexão. Palpatine acerta-os gravemente, e para salvar a vida de Rey, Kylo usa a Força para curar os ferimentos dela, transferindo sua energia vital, e por já estar muito fraco acaba morrendo. Maaaaaas, antes de se unir à Força, ele fica nos braços de Rey, que o beija quando percebe que aquele é seu Ben Solo. Fazendo a maioria dos fãs GRITAAAAREEEM.

Isto só mostra que mesmo com todos os percalços de lutas e conflitos internos, o sentimento que ambos tinham era recíproco, a Força os uniu num amor sacrificial, onde o bem sempre vence no final.

Obrigada por ter me ouvido, Disney! Meu coração Reylo está em paz.