Não é incomum ouvir falar das séries da DC comics /CW, visto que os seriados de heróis de maior sucesso vêm deles, quem nunca ouviu falar em Smallville ou Gotham? Ou até mesmo o Arrowverse?

Pois bem, a série que trago agora, faz e não faz parte do Arrowerse, sim estou falando de Raio negro (Black Lightning). A trama tem um roteiro tão diferente que consegue ser muito a mais do que as suas “irmãs”, tocando em temas polêmicos e discussões necessárias.

História da trama

A série que já conta com 4 temporadas, e tem como um dos protagonistas Jefferson Pierce (Cress Williams) ou para os mais íntimos Pierce, e ao contrário de suas series irmãs, ela não conta sobre o inicio do herói, ao contrario já mostra ele com traje aposentado e com sua família, numa vida bem comum.

 É interessante entender esse contexto, pois ela largou o traje para ter uma vida simples como Jefferson, um diretor de uma escola respeitada que tenta mudar a vida de seus alunos através da educação e nos exemplos. Mas ele não está sozinho, e dentro de toda a narrativa, o personagem tem aliados que são de grande valor em toda a batalha diária contra os bandidos.

A família Pierce é o que torna o núcleo interessante (e todos eles são os protagonistas aqui), vale ressaltar que os bons personagens induzem cada vez mais uma identificação com o telespectador, sua ex-esposa Lynn (Christine Adams) e suas duas herdeiras do gene poderoso, Jennifer (China Anne McClain) e Anissa (Nafessa Williams) expõem muito bem os problemas e realidades familiares.

Raio Negro | Produtor executivo dá detalhes sobre o fim da primeira  temporada « Terraverso | Site sobre a DC Comics no Brasil!

Muito mais que o heroísmo típico

O brilho da série alcança outro local além do clichê herói/vilão. A não excludência do mundo ao redor, e o abraço que o enredo dá ao contexto social são o que torna tudo um tanto excitante.

As mensagens aqui são bem claras, e dá para entender quem realmente são os vilões da saga dos heróis. Racismo, abuso de drogas, sexismo e corrupção, são só a ponta da crítica social que raio negro faz, vai além e faz uma crítica conjuntural de todo um sistema.

A representatividade e os personagens são um show à parte. Dentro da jornada dos protagonistas os diversos públicos podem se sentir garantido, o LGBTQIA+, o Racial, e a diversidade são bem explorados. A série é ambientada por um elenco majoritariamente negro. (putz como faz bem ver isso!)

Antes de Black Lightning, a CW não tinha uma série estrelada por um elenco predominantemente negro desde que Everybody Hates Chris, Girlfriends e The Game foram cancelados há mais de dez anos.

Black Lightning' 2×16: Top 4 moments from “The Omega”

Pontos positivos

  • A trilha sonora:  a perfeição das escolhas as músicas deixam toda experiência melhor e consegue passar a emoção necessária, seja nos momentos de ação, ou nos de calmaria, o importante aqui é sentir a vibe.
  •  Figurino: O visual é muito bonito e os trajes dos heróis (Sim, eu disse heróis), reimaginam os quadrinhos clássicos, dando um certo refino em detalhes como leds (que muitas vezes podem ser sim, necessários) e foram idealizados pela designer Laura Jean Shannon, famosa por seus trabalhos em Jumanji: Bem vindo à selva e Homem de ferro.
  • Elenco: o Elenco da serie é um ponto positivo, quer seja ele do elenco principal ou coadjuvante eles arrasam, sério, uma coisa que deixa completamente impressionado, pois são os detalhes da atuação que dixa a trama melhor.

Pontos Negativos:

  • O complexo do herói: Alguns traços da personalidade do Pierce causa um certo incomodo. O excesso de heroísmo por parte dele e da Anissa, deixa com que alguns episódios da terceira temporada extremamente maçantes.
  • Romance idealizado: Se tratando da CW, isso é um problema real, eles não conseguem tratar esse tema de forma real e natural, deixa tudo forçado ou extremamente fatigantes (Supergirl e Legacies que o diga). No caso aqui é o romance entre Jennifer (China Anne McClain) e Khalil Payne/Painkiller (Jordan Calloway), é muito incomodo em alguns episódios a forçada de barra para que ela o salve de todos o B.Os dele, (ninguém tem a obrigação de salvar ninguém. Ajudar ok, Salvar não ok!)

Veredito

Raio Negro é uma boa série, com enredo consistente pelos diferentes núcleos, e que consegue dizer muito mais que o básico em uma série de super heróis. É um modelo de representatividade e deveria ditar um padrão entre esses mundos. Os personagens são vivos e possuem sua própria sinergia, valendo a pena essa jornada de descobrimento junto com os telespectadores.

Raio negro é um acerto que, com tantos fatores positivos, deixa os pormenores no bolso e certos problemas pequenos como o inicial clichê heroico, ressaltam ainda mais o brilho do produto final fornecido pelos idealizadores Salim Akil e Mara Brock Akil.

Black Lightning conta com três temporadas disponiveis na Netflix, e sua quarta e ultima temporada teve estreia dia 08/02 na CW, não tenho data para entrar no catalogo streaming.