A nova plataforma de streaming da Warner, que chegará em maio de 2020, será lançada em diversos países, inclusive na América Latina, mas o Brasil ficou de fora e não receberá o serviço, e pelo que parece não chegará tão cedo por aqui.

Em um comunicado oficial enviado à imprensa, a WarnerMedia destacou que está chegando a um acordo para comprar a participação da HBO Ole Partners, a HBO Latin American,  no entanto, não inclui a HBO Brasil, que tem uma estrutura própria em terras brasileiras.  

O presidente da WarnerMedia International NetworksGerhard Zeiler, informou no comunicado que o país não é atrativo para empresa.

Temos a opção de adquirir os negócios no Brasil, mas não faremos isso no momento. Investimento direto adicional no Brasil não é atualmente atrativo para nós devido à incerteza regulatória existente no país. Apoiamos e continuamos otimistas quanto aos esforços em andamento para alterar a lei do SeAC de sorte a garantir que o setor de mídia tenha uma estrutura regulatória clara e previsível que promova o investimento e a inovação.

A lei em que Zeiler  se refere é a de n° 12.485/2011, aprovada em 2011. Por esse motivo, ela não permite que a mesma empresa produza conteúdo e o distribua em TV por assinatura. Dessa forma, como a AT&R, dona da Sky, comprou a WarnerMedia, a companhia sofre conflitos de operar no Brasil.

Além disso, outro problema é motivado pelo afastamento da empresa com o país: a língua portuguesa. O executivo alega que o investimento para realizar a introdução do streaming é alto no momento, isso porque o país não tem como padrão as linguagens inglês e espanhol como os outros, enquanto o português é mais restrito, fazendo com que o trabalho seja maior pela necessidade de encontrar dubladores para diferentes conteúdos e ainda investir no marketing.

Pois é, infelizmente teremos que aguardar para que um dia o streaming desbanque em terras brasileiras.