O episódio 3 da segunda temporada de Siren mostrou a importância da sobrevivência no reino animal, além de deixar claro a ideia de que um bando precisa de um líder, e este líder sempre é o que consegue mostrar mais força quando há um confronto.

O fato de estarem muito tempo longe da água deixa as sereias em uma situação complicada, já que seus modos animalescos chamam atenção por onde quer que eles passem. O que faz com que precisem de um novo local para ficar. A grande questão é que Ryn está muito mais tempo fora da água, e não ter se transformado, junto aos outros no episódio anterior, faz com que ela tenha se enfraquecido.

Dentro da colônia das sereias, como na maioria dos "lares" no reino animal, o alfa precisa estar sempre disposto a exibir sua força e vitalidade. Catrina, ex alfa, está esperando o momento ideal de atacar Ryn, num duelo que vai até a morte, e então retomar seu antigo posto no clã.

No depósito do Centro de microbiologia de Ben e Maddie, há um tanque que pode ser enchido com água do mar onde as sereias fariam suas transformações sem ser afetadas pela poluição sonora. Ben consegue encher o tanque após várias tentativas frustradas, e finalmente Ryn poderá recuperar suas forças.

Como sub trama, temos Xander, que não está nada feliz em saber que o tritão que matou seu pai está sendo protegido por Ben, e secretamente trama fazer algo contra a vida do animal subaquático. E Ellen, que através de um exame de DNA, feito pela mãe de Ben em secreto, descobre possuir um parente próximo de sua linhagem mitológica.

O pai de Maddie, o xerife Bishop, é afastado do cargo após aparições de "amigos esquisitos" de Ben, e também por não ter resolvido o mistério da morte do motorista no episódio piloto da temporada 1. Então ele precisa ir fazer exames psicológicos em Seattle, e deixa a mãe de Maddie sozinha.

Catrina se dá conta que Ryn está fraca, e vendo a oportunidade de ser a alfa outra vez, joga Ryn no tanque para começarem o duelo. Ambas lutam desesperadamente, envolvidas por efeitos visuais duvidosos. Quando Ben se dá conta de que Ryn pode morrer, ele tenta ajudá-la, mas é arremessado para longe do tanque, já que a mesma tinha dito que durante a luta ninguém poderia interferir. Ela fere Catrina gravemente e então vence o duelo, sendo reverenciada por todos os outros membros do clã. Eles acreditam que Catrina não vá sobreviver.

Acontece que Ben está envolto pela canção da sereia, e isso faz com que ele tenha uma necessidade absurda de mantê-la a salvo. Então eles decidem que seria melhor tentar estudar o canto e ver se as ondas sonoras se parecem com alguma que outros animais marinhos emitem. No entanto, Ryn revela que só pode cantar se estiver olhando para um humano. Maddie se oferece para permanecer no local, só que com os ouvidos tapados. Embora não esteja ouvindo nada, ela fica completamente encantada pela sereia enquanto esta canta. Após a gravação, Ryn revela a Maddie que quando cantou para Ben não conseguiu pensar em outra coisa, e que ela gosta de fazer isso, então Maddie a pede para deixar em segredo, com medo de que prejudique ainda mais o biólogo, que agora tem a voz de Ryn gravada a seu dispor no momento em que ele desejar ouvir.

O episódio termina com o mistério sobre Ben ouvir ou não o canto da sereia a partir da gravação que as meninas fizeram. Novamente, o mistério sobre o som da sereia continua a atormentar, tanto o protagonista como os telespectadores. Afinal, se pode ser mais que só um som, qual razão levaria Ben a sentir tanta vontade em proteger Ryn. Será que o canto conecta a sereia ao humano de uma maneira romântica, ou ele é altamente destrutivo e possessivo?