Review 03x01: "We’re Not Worthy"

Após quase 1 ano, Legacies, uma das séries mais amadas da CW da atualidade (e talvez uma das mais odiadas na mesma intensidade), retornou para a 3ª temporada no dia 21 de janeiro. Seus 4 primeiros episódios, que, na realidade, são os últimos da 2ª temporada, já foram ao ar e continuam nos mostrando o rumo que a série não mostra sinal de largar, mas deveria.

O retorno, não trouxe nada de tão interessante para a abertura da temporada, já que este primeiro episódio seria originalmente o episódio de número 17 da 2ª temporada, que precisou ser encerrada mais cedo por conta da pandemia de coronavírus. Este primeiro episódio começa com Alaric, o diretor da Escola Salvatore discursando sobre os episódios turbulentos que os alunos enfrentaram durante 2 anos - ou durante toda uma vida. Josie é boa de novo, não usa mais magia negra e toda a Escola está a salvo. Exceto que Hope e Landon não acordam.

Para distrair os alunos deste detalhe, Alaric os coloca em “um dia de campo”, para que eles possam ficar longe da Escola enquanto o diretor tenta recuperar Hope e Landon. Aqui, vale salientar que mesmo sendo uma escola para adolescentes sobrenaturais, eles ainda são adolescentes. A Escola os manda para um dia de campo sem um adulto responsável pelos alunos, fato que não se mostrou em atividades extracurriculares parecidas em temporadas anteriores: sempre tinha Dorian ou o próprio Alaric supervisionando os alunos.

Alunos distraídos, Alaric tenta sair em busca da solução para que Hope acorde e aí nos aparece Landon, mais conhecido como o personagem mais chato da série, que resolveu ter uma síndrome de herói, insistindo em não cumprir uma parte do acordo feito pelo “Super Esquadrão” com o Necromancer. A fênix, então, tem a ideia de não voltar ao seu corpo para que Necromancer, um dos vilões mais patéticos que já existiu na história das séries, não receba a magia negra prometida no acordo para salvar Josie, Hope, Landon e consequentemente, toda a Escola Salvatore.

Então, descobrimos que Hope não quer acordar porque o namorado também não acorda. Isso mesmo, a personagem que escolheu os amigos poucos episódios antes, sabendo da possibilidade da morte permanente do namorado, agora escolhe dormir porque ele “morreu”. A revirada de olhos é inevitável, mas continuemos. 

O episódio se divide em cenas na Escola Salvatore, com Rafael tentando convencer Landon a voltar para o seu corpo, e acontecimentos no dia de campo, onde novos monstros aparecem para atrapalhar o dia de folga dos adolescentes sobrenaturais. Mas vamos por partes. 

Lizzie (Jenny Boyd) e Josie (Kaylee Bryant) no dia de campo da Escola Salvatoreno primeiro episódio da 3ª temporada de Legacies. Foto: Legacies/The Cw/reprodução.

Josie, que através da enorme quantidade de magia negra que absorveu (que tem esta versão carinhosamente apelidada pelos fãs de Dark Josie), ameaçou matar a irmã gêmea e toda a Escola em episódios anteriores, agora sofre bullying dos outros alunos, tendo que lidar com as consequência das escolhas da sua versão malvada. É durante um episódio de bullying que novos monstros aparecem, libertados de Malivore. São eles Nimue, a Dama do Lago e o Cavaleiro Verde, ambos baseados na lenda do Rei Artur e a Excalibur.

Nimue até que não é um dos piores “monstros” que saiu de Malivore. Ela se resume a olhar para a Excalibur, dizer frases que pouco esclarecem e ajudam enquanto espera alguém digno para derrotar o Cavaleiro Verde, que se aproxima lentamente da espada. Mesmo assim, a Dama do Lago é até legal, mas é difícil engolir a caracterização da personagem que mais parece um cosplay mal feito, com a maquiagem do rosto que muda de cor e que possui um tom diferente do resto do corpo. Alô, CW! Vamos melhorar nisso aí, hein? Se é pra trazer monstros que já não suportamos mais, traz bem feito.

Enquanto o Super Esquadrão pensa, tenta e falha em derrotar o Cavaleiro Verde, na Escola Salvatore, Rafael tenta convencer Landon a voltar ao seu corpo e que só sairá para ajudar o restante dos amigos quando o babaca, digo, a fênix obedecer (podem se acostumar, não vou esconder o quanto detesto este personagem). Por mais inusitado que pareça, é Rafael que salva o dia. Sim, Rafael, o personagem que em duas temporadas não teve destaque algum ou motivo para ser especial - além de ser um lobo -, salva o dia. Ao conseguir empunhar a Excalibur e derrotar o Cavaleiro Verde, Nimue revela que ele deve ser descendente do Rei Artur e por isso, digno de empunhar a espada.

Rafael é herói, Landon deixa de pirraça e volta ao seu corpo. Tudo lindo e feliz. Ao se encaminhar para o final do episódio, a querida (nem sempre) Julie Plec, showrunner da série, se contradiz e nos coloca Hope acordando de seu sono com um beijo não consensual, que foi criticado pela própria personagem no episódio anterior, o último da 2ª temporada. Isso mesmo! A tríbida, filha de um vampiro original, de uma lobisomen de uma linhagem da realeza e neta de uma bruxa original, Hope Mikaelson, a única de sua espécie e o ser mais poderoso do TVD Universe, escolhe dormir e acorda com um beijo - não consensual - como se fosse a Bela Adormecida. Situações que fazem a gente parar e se perguntar que rumo é esse que a série está tomando.

Foi um retorno que teve altos e baixos, mais baixos que altos, mas também nos trouxe fofura. Pudemos perceber que Lizzie e MG estão cada vez mais próximos, que a bruxinha tem permitido se aproximar do vampiro. E vamos combinar que Mizzie é o único casal hétero shippável nesta série. 

 O episódio termina com Chad morrendo e Alyssa preocupada com seu destino, uma vez que ela já estava morta e teve seu corpo ligado ao dele para poder voltar a viver. Necromancer propõe, então, que a bruxa seja sua aprendiz. E aí é só mais um recado piscando na nossa cara: “trouxa”. Sim, vamos ser obrigados a acompanhar esse plot do Necromancer sabe-se lá por mais quantos episódios.