Temos aqui mais um episódio musical, o que sempre foi visto como divisão do fandom já que uns amam e outros odeiam. Mas o fato é que a série sempre teve um pé no Glee, desde a primeira temporada, o que não irá acabar tão cedo, até porque o elenco é cheio de apostas e talentos musicais que a produção não via desperdiçar.

O fato é que o musical foi interessante e soube usar e mesclar as músicas exatamente pelos momentos que eles estavam vivendo na trama. Acertar os momentos certos de colocar as melodias não era lá um ponto forte dos roteiristas, mas deu muito certo nesse episódio em específico.

Assim, esse não foi um episódio tão ruim assim, que começa mostrando como Betty e Alice estão lidando com o luto da morte da Polly e a loirinha agradece a ajuda e preocupação dos amigos com a situação. Contando como a mãe está, em uma situação depressiva e sem sair de casa, Betty explica que Alice está viciada na discografia de um musical que ela assistiu com as filhas há anos atrás. Essa foi a desculpa perfeita para o episódio musical da temporada.

Com Alice vivendo de lembranças, Betty tenta ajudar a mãe a superar o luto. O que ela não esperava era que o fundo do poço foi tão fundo ao ponto de Alice a acusar de ser a culpada pela morte de Polly. Destaque aqui para Mädchen Amick, que viveu um verdadeiro luto com a personagem.

Veronica teve também seu destaque nesse episódio, que resolve mostrar a morena se entregando de vez ao amor de Archie e resolvendo morar junto com o boy. Lindo e perfeito até a página dois, quando ela começa a sentir a realidade de morar com um homem que coloca o mundo a frente da própria vida.

Ela começa a sofrer com a ausência do ruivo e se colocar num momento de infelicidade ao ponto de procurar ocupar seu tempo ajudando Reggie a passar no teste de corretor de imóveis. Depois de muito engolir sapo, ela resolve confrontar Archie sobre o futuro deles e vendo que não haveria mudanças, resolve terminar o relacionamento dos dois.

No plot histórias de um único episódio, temos Toni e seu altruísmo quando ela resolve ajudar uma aluna. O diretor a chama para comunicar que a aluna Britta, que se assumiu gay, está morando no colégio. Ela conta que os pais a expulsaram de casa e a culpa por ter sido raptada pelos irmãos mariposas. Super chateada com a situação, Toni chama uma assistente social para ajudar.

Com pouca chance de ver a menina sendo adotada, Toni resolve mexer os pauzinhos para que a menina seja bem cuidada e acolhida. E quem melhor para cuidar de alguém como Britta? Ela mesma, a ruiva que passou pela mesma situação. Assim, Fangs convence Toni a pedir para Cheryl abrigar Britta.

Inclusive esses dois se aproximam tanto na corrida da adoção que terminam se declarando um para o outro. Um indício que eles ficarão juntos em breve? Talvez. Enquanto isso Cheryl continua a brigar com a mãe por causa da religião.

Por último temos a aparição dos pais de Tabitha que estão na cidade e aparentemente não gostam do Pops. Eles são ricos mimados e, para provoca-los, Tabitha apresenta Jughead como seu namorado (na hora falso), apesar do esforço do garoto em tentar ser o namorado de verdade. Furioso, o pai de Tabitha tenta convencer Jughead a largar a garota.

O episódio termina com um funeral para Polly, fechando de vez esse enredo que durou bastante até.

Não sei se tenho medo ou curiosidade para esse último episódio da temporada, porque de fato foi algo completamente esquecível. Parece que nem os fãs mais fervorosos vão sentir falta.