Quando o fim chega cada vez mais perto dos portões de Winterfell, a tensão e o medo da morte também ficam mais nítidos. Ainda assim, deu tempo para um pouco mais de enrolação e por que não a conclusão de arcos tão importantes para alguns personagens? Mesmo que isso signifique uma provável e talvez até óbvia, despedida.

Sem rodeios, o episódio dessa semana foi direto ao julgamento de Jaime Lannister.

Daenerys lembra de seu pai, o Rei Louco e como o Lannister ficou conhecido por matá-lo, destruindo sua própria honra como Guarda real. Foi interessante nesse momento, ver o quanto a rainha dos dragões passou um pouco de contradição em seu olhar, através de um dilema extremamente pessoal entre defender sua família e o bom senso de compreender que provavelmente o melhor foi feito.

Quando Brienne defende seu antigo prisioneiro, temos aqui a prova de que nessa série, mais uma vez, absolutamente tudo o que você faz, bom ou ruim, pode voltar pra você e com Jaime que pôr a ter salvo de um estupro, perdeu sua mão, isso não seria diferente. Após Tyrion também defender o irmão, o perdão foi concedido e o melhor foi perceber que mesmo dentro de um ambiente nada acolhedor, Daenerys ainda possui a palavra final.

O episódio fez questão de entregar ao arco de Jaime, uma espécie de conclusão.

Em sua conversa com Bran, de frente a Árvore coração, um elemento tão simbólico na série quando se trata dos caprichos do tempo e do destino, o Lannister pergunta por que o garoto não acabou com o julgamento contando a todos que foi ele quem o empurrou da janela, ao que Bran responde, não como ele mesmo, mas como O Corvo de Três Olhos que aquilo foi necessário para a evolução pessoal dos dois e além disso que eles precisarão de sua força para à guerra. Porém o melhor da cena e talvez a parte mais enigmática ou óbvia dependendo do ponto de vista, foi que o garoto fez questão de deixar a dúvida se realmente haverá um depois, abrindo a possibilidade da morte de Jaime ou do fim de tudo.

De volta para dentro dos muros de Winterfell, Daenerys finalmente chamou Sansa para conversar, o que nos rendeu um ótimo diálogo. Dessa vez, tivemos a prova de que a nossa eterna Khaleesi não está deslumbrada por Jon Snow ou perdeu a personalidade que a fez chegar até aqui viva e comandando, mas sim, que possui a consciência do que essa batalha realmente significa, mesmo que tenha dito isso através dos sentimentos. No entanto, a Lady de Winterfell, tão distante da anteriormente frágil, Sansa, pergunta o que acontecerá depois de tudo acabar e revela que o Norte não mais dobrará os joelhos para ninguém.

O corte para Daenerys retirando suas mãos das de Sansa foi perfeito e serviu para indicar ainda mais, o quanto a rainha não se desviou de seu principal objetivo, mesmo que agora ele pareça literalmente mais nebuloso de se alcançar.

Quando estávamos prestes a ter um conflito real, as duas são interrompidas pela chegada de Theon que alegrou e emocionou Sansa. Prestem atenção no quanto Daenerys, mesmo após o diálogo pesado, conseguiu se compadecer pela irmã do Jon Snow.

Esse episódio foi claramente um daqueles que antecedem uma grande batalha, o que muito nos lembrou o 2x09, “Blackwater” quando a todo momento os personagens pareciam preparar-se para à morte de alguma forma. Um fato que chamou atenção, foi que a todo momento alguém lembrava o quanto as criptas de Winterfell serão um local seguro para aqueles que não sabem lutar, porém há algumas teorias rolando de que:

1. Através de seu poder visto lá no 5x08Hardhome”, o Rei da Noite pode vir a erguer todos os mortos e sim, incluindo todos os Starks que ali estão enterrados. Uma teoria não tão plausível assim, mas que faz sentido.

2. Há histórias em Winterfell, de que os túneis das criptas podem ir até locais desconhecidos e até mesmo perto ou após a Muralha. Dessa forma, uma boa parte dos mortos, pode adentrar nos túneis para um ataque surpresa.

Tivemos a derradeira chegada dos últimos irmãos da Patrulha da Noite, com Tormund provando mais uma vez ser a melhor pessoa dessa série inteira, abraçando Jon de surpresa e claro, perguntando pela “Mulher grande”. No entanto, as notícias ruins também chegaram e finalmente ficamos sabendo que os mortos estão muito próximos a Winterfell e quem não está ali dentro ou próximo aos muros, está chegando junto a eles.

A partir desse ponto é confirmado para nós que estamos realmente nos últimos momentos antes da batalha.

Durante a última reunião de estratégias, Bran revela que o Rei da Noite irá procurá-lo diretamente e que fará isso, com a intenção de apagar a memória de Westeros dando início a próxima Longa Noite. Theon se oferece para protegê-lo e a partir disso fica mais claro ainda que o irmão de Yara, simplesmente voltou. Para. Morrer.

Na verdade esse episódio foi uma série de possíveis cenas de despedidas de personagens como: Missandei e Verme Cinzento fazendo juras de amor e prometendo viver felizes para sempre nas praias de Naath, Sam dando a espada de seu pai para Sor Jorah e soltando um “Te vejo quando isso acabar” kkkkkk... dentre várias outras que ficaram cada vez mais óbvias, o que a gente espera também que seja uma forma de despistar das outras mortes que vão realmente acontecer no próximo episódio.

No entanto, uma dessas cenas se destacou. Ver Brienne finalmente tornando-se um Cavaleiro pelas mãos de Jaime Lannister foi uma das cenas mais bonitas do episódio. A gratificação no sorriso da personagem foi a dose certa para nos dizer que seu arco foi concluído, fazendo-a atingir seu principal objetivo na vida por trás de todas as suas ações e isso, dentro da série, meio que grita como um anúncio, a sua morte.

Após tanta emoção, ainda deu tempo de ter mais um aperto no coração porém de um jeitinho diferente... Com Arya finalmente conseguindo o que queria; provavelmente faz tempo e com TODAS as indicações nesses dois últimos episódios, foi óbvio. Com medo de morrer ou simplesmente com vontade de perder o lacre com o gostoso do Gendry, a guerreira de Winterfell levou o ferreiro pra cama e nos deixou chocados, porém orgulhosos.

A última cena do episódio nos levou mais uma vez às criptas de Winterfell, onde Jon Snow finalmente revelou seu segredo para Daenerys. A reação da Targaryen foi interessante, pois reafirmou que sua maior intenção ainda é o trono de ferro e que amor nenhum a fará desistir disso, pelo menos não até agora. O fato da câmera focar na estátua de Lyanna Stark ao fundo e ainda assim, entre os dois, deu ainda mais dramaticidade à cena, como se tivéssemos vendo uma conclusão da cena lá do primeiro episódio da série, quando Ned e Robert, no mesmo lugar, lembram da irmã e possível esposa, respectivamente.

Porém, antes de qualquer conclusão, as trombetas soam e anunciam a chegada dos mortos à Winterfell.

Com isso, “A Knight of the Seven Kingdoms” termina com um forte sentimento de urgência e preparação para a grandiosidade do próximo episódio, carregando um peso ainda maior para as possíveis muitas perdas que teremos e ainda assim preparando o território para o que pode vir depois da guerra.

Highlights do episódio:

1 – Tyrion fazendo o que todos nós gostaríamos, que foi sentar com Bran e escutar todas as fofocas de Westeros.

2 – Tormund sendo icônico exatamente em TODAS as suas cenas, principalmente quando conta a história sobre ter mamado em uma giganta e por isso ser tão grande

3 – A reunião em torno da lareira com todos os personagens bebendo vinho e morrendo de medo de morrer

4  – Sam fazendo questão de lembrar que ele foi o primeiro a matar um White Walker. E não mentiu.

5 - A menção a Shireen, através da menina com a cicatriz no rosto dizendo que quer defender winterfell para Davos quase me fez chorar