No final do primeiro episódio acompanhamos o Mandaloriano, ainda sem nome, resgatar o pequeno e fofo bebê Yoda. A raça nunca teve um nome oficial revelado, por isso, até então, a raça é conhecida como Yoda. A gente termina o episódio anterior se questionando sobre a origem da criança e até onde mergulharemos na origem do possível Jedi, além de não sabermos se o Mandaloriano irá entregar o bebê para ter sua recompensa.

O segundo episódio traz uma grande e importante revelação. Apesar de ainda não sabermos a idade do bebê Yoda, vemos que a criança consegue manipular a Força, e parece ser incrivelmente forte. Essa demonstração deixa o Mandaloriano confuso sobre o que de fato aconteceu quando o bebê salva sua vida, e deixa no ar uma solidificação do vínculo criado no episódio anterior. A relação dos dois parece caminhar para um mentoria clássica, onde há o mentor e o aprendiz. Isso não quer dizer que o bebê Yoda irá de fato aprender alguma coisa com o Mandaloriano, mas a relação é estabelecida, e o caçador de recompensas pode ter algo despertado dentro de si, fruto dessa ligação especial. 

Quando o bebê Yoda usa a Força, uma série de dúvidas surge. Se aquela criança não é de fato o Yoda que conhecemos, será que todos da raça Yoda possuem o domínio sobre a Força? Além disso, quem pode usar a Força? Talvez esses questionamentos sirvam pra intensificar a trama do episódio IX - A Ascensão Skywalker - onde poderemos ter uma resolução sobre a Força, revelando que todos os seres vivos são capazes de manipulá-la, e não somente os Jedi e os Sith. 

Apesar de um pequeno aprofundamento na mitologia do Universo, o segundo episódio deixa a desejar em sua duração de apenas 30 minutos. É tempo suficiente para explorar um pouco mais da relação do Mandaloriano com o bebê Yoda, mas não se aprofunda no que está ao redor. Isso nos leva a questionar sobre até onde a série nos levará visto que serão apenas 8 episódios, e que se os próximos seguirem esse padrão de tempo, não caminharemos muito adiante como imaginávamos e queríamos. Talvez por essa duração, tenhamos até então, personagens rasos, com exceção do Mandaloriano, claro. Personagens que estão lá apenas como ganchos para determinadas ações. Obviamente, tudo isso pode ser resolvido nos próximos episódios se a série optar por responder as questões e dar peso aos outros personagens, o que é bem provável. Os 3 primeiros episódios devem servir para nos ambientar na vida e na perspectiva do Mandaloriano.

O episódio termina com o caçador de recompensas levando o bebê para aquele que o deu a missão. Ou seja, na próxima semanas saberemos a decisão do protagonista e com certeza, vamos ir junto em novas aventuras pela galáxia, mergulhando cada vez mais nas questões esquecidas do Universo de Star Wars.